PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

'Pequeno governo, grandes negócios', ironiza Gleisi sobre Bolsonaro e Musk

Colaboração para o UOL

20/05/2022 18h39Atualizada em 20/05/2022 19h01

A presidente nacional do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann, criticou o encontro ocorrido hoje entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o bilionário Elon Musk, que recentemente anunciou a compra do Twitter. O empresário promete defender a "liberdade de expressão", o que é comemorado por bolsonaristas, já que apoiadores do mandatário são frequentemente alvos de punições das redes sociais por postagens que violam as políticas dessas plataformas.

"Estamos vendo um pequeno governo com grandes negócios. Essa é a realidade do governo brasileiro, infelizmente", disse a petista, durante UOL News.

Bolsonaro afirmou "contar" com o bilionário sul-africano Elon Musk para que a "a Amazônia seja conhecida por todos" e, de acordo com o governante, combater supostas informações inverídicas sobre a região. Apesar de Bolsonaro negar o avanço do desmatamento na região, dados do sistema Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), mostram que, em abril, a área desmatada chegou a 1.012 km² — um recorde para o mês.

Gleisi Hoffmann não quis comentar diretamente a presença do ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal), no evento com Bolsonaro e Musk. "Ele que tem que falar sobre isso, não me cabe fazer uma avaliação. Tem que perguntar ao Toffoli por que estava em um evento como esse, claramente evento de campanha".

Gleisi nega pressão para Ciro Gomes desistir

Durante a entrevista, a presidente nacional do PT também negou que o partido pressione o presidenciável Ciro Gomes (PDT), para que haja um apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Não tem nenhuma orientação da coordenação da pré-campanha do Lula nem do PT para fazer isso. Se tem alguém fazendo é por própria conta e risco. Respeitamos a legitimidade dos partidos de terem candidatos. Pessoalmente, tenho uma avaliação de que com a polarização que estamos, nós devemos antecipar essa eleição para ser decidida em um primeiro turno".

Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo do último dia 10 mostra que o comando da campanha de Lula aumentou a pressão para que Ciro desista da disputa.

Nos últimos dias, o próprio Lula teria entrado nas articulações, com o objetivo de atrair o PDT para a aliança em torno da candidatura dele. Pesquisas de intenção de voto indicam que, se Ciro sair do páreo, a maioria de seus eleitores deve migrar para Lula.

  • Veja as principais do UOL News com Diego Sarza e Tales Faria:

Política