PUBLICIDADE
Topo

Tomar paracetamol para curar ressaca pode causar lesão hepática

Chris Bueno

Do UOL, em São Paulo

04/08/2014 06h00

Imagine o cenário: você bebeu demais na noite anterior e acorda com aquela dor de cabeça terrível. Qual a sua primeira reação?

Se você respondeu “tomar um paracetamol”, precisa ter cuidado. Ingerir alguns comprimidos do medicamento para curar ressaca pode causar uma lesão hepática fulminante, segundo a farmacêutica Silvana Maria de Almeida, do Hospital Israelita Albert Einstein de São Paulo. O cuidado vale mesmo se a dosagem for menor do que a diária recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que é de até 4.000 mg. Segundo ela, o álcool associado ao paracetamol também pode provocar sangramentos no estômago.

Esses são apenas alguns dos riscos que o uso indiscriminado do paracetamol, um dos medicamentos mais populares no mundo no combate à dor e à febre, pode acarretar para a saúde.

A substância pode ser encontrada em comprimidos, em gotas ou ainda como princípio ativo de outros medicamentos. O paracetamol é facilmente adquirido nas farmácias, sem prescrição. Apesar de ser considerado um medicamento seguro e eficaz, é preciso que o paciente fique atento e respeite a dosagem recomendada --cometer exageros é mais fácil do que se imagina.

Para ultrapassar os 4.000 mg recomendados pela OMS, basta ingerir cerca de seis comprimidos dos “extra fortes” num período de 24 horas, ou ingerir os comprimidos associados a outros medicamentos que também contenham o princípio ativo.

“O paracetamol é considerado seguro em doses terapêuticas. É preciso ficar atento, pois este princípio ativo também faz parte da composição de uma série de medicamentos, sendo fácil tomar o dobro da dose”, aponta o gastroenterologista Henrique Boruchowski, do Hospital Samaritano de São Paulo.

Segundo Silvana Maria de Almeida, a superdosagem pode ser fatal. “O uso indiscriminado pode levar a dano hepático, anafilaxia [reação alérgica grave] e outras reações adversas como prurido [coceira], problemas gastrintestinais, náusea, vômito, dor de cabeça, insônia, agitação, atelectasia [colapso pulmonar], Síndrome de Steven-Johnson (com erupção nas mucosas, olhos, nariz, vagina etc), necrólise epidérmica tóxica e penumonite”, explica.

Fígado

A maior preocupação ao se usar o medicamento em excesso está ligada aos danos que pode causar ao fígado. Após ser ingerido e processado pelo organismo, uma das sobras desse processo é o composto NAPQI, que é tóxico. Doses altas do medicamento fazem com que o NAPQI fique acumulado no fígado, atacando as moléculas que formam as membranas das células hepáticas e levando-as à morte. Se não for interrompido, o processo pode levar à falência do fígado e à morte do indivíduo.

Se para obter uma superdosagem basta ir à farmácia mais próxima, detectar os sintomas não é tão fácil assim. De acordo com estudo publicado pelos pesquisadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia, no periódico "British Journal of Clinical Pharmacology" em 2011, a superdosagem da droga é difícil de ser percebida, pois os sintomas podem ser confundidos com a doença a ser combatida pelo medicamento: vômito, náusea e dor abdominal.

Em geral, os sintomas se manifestam quatro horas depois da superdosagem. Após um período de 24 horas, há convulsões e a piora do quadro. Em 72 horas, com a destruição do fígado, o organismo não metaboliza mais a amônia, que se acumula no corpo e pode provocar morte cerebral. Para reverter uma intoxicação, é preciso receber tratamento com N-acetilcisteína nas primeiras 24 horas.

“Nos casos de intoxicação leve a moderada, após o primeiro dia da ingestão, os pacientes podem permanecer assintomáticos ou apenas desenvolver náusea, vômito e dor abdominal. Nos casos graves de intoxicação, pode haver falência hepática, incluindo coagulopatia e encefalopatia hepática. Os pacientes devem procurar um serviço de saúde rapidamente para que possa ter os cuidados necessários”, aponta Silvana Maria de Almeida, do Hospital Israelita Albert Einstein.

O paracetamol é responsável por cerca de 1.500 mortes nos últimos dez anos, de acordo com pesquisa realizada pela ONG de jornalistas Pro Publica. O medicamento é a principal causa de insuficiência hepática e de indicação de transplante de fígado nos Estados Unidos, com quase 800 casos nos últimos 15 anos. Por isso, a FDA (Food and Drug Administration), agência norte-americana que regula alimentos e medicamentos, vem tomando uma série de medidas para controlar o uso do paracetamol.

Em janeiro deste ano, a FDA publicou uma norma recomendando a médicos que não prescrevessem medicamentos com dosagem superior a 325 mg de paracetamol associados a outras substâncias.

Cuidados

Medicamentos como a domperidona ou a ametodopromida podem aumentar a absorção do paracetamol, intensificando seu efeito. O risco de intoxicação com doses acima de 8.000 mg é de quase 100%. Já entre 3.000 mg e 8.000 mg, depende de outros aspectos, como o consumo de álcool ou de outros medicamentos, como anticoagulantes e alguns tipos de anticonvulsivantes.

Mas é a ingestão do medicamento com bebidas alcoólicas que merece atenção redobrada. “Nos casos em que pacientes utilizam mais de três doses de bebida alcoólica por dia, o medicamento pode apresentar interação com o uso concomitante da bebida alcoólica”, diz a farmacêutica Silvana Maria de Almeida. O álcool interfere na disponibilidade de glutationa, causando lesão hepática.

Crianças e idosos também devem tomar cuidado com o medicamento. “Idosos são mais propensos a doenças hepáticas e renais, portanto devem ser monitorados durante o uso de paracetamol. Em crianças, doses acima de 200 mg/kg podem potencialmente causar toxicidade. Este limiar é mais alto porque as crianças têm os rins e fígado proporcionalmente maiores ao tamanho do corpo do que os adultos e, por isso, são mais tolerantes à superdosagem de paracetamol que os adultos”, explica o gastroenterologista Henrique Boruchowski.

Os especialistas recomendam que, no caso do uso do paracetamol não apresentar a eficácia necessária –ou seja, se a dor persistir–, não se deve aumentar a dose, mas sim buscar ajuda médica que indique outra alternativa ao medicamento. “Os problemas do uso indiscriminado do paracetamol, e também de outros medicamentos, podem ser evitados através da consciência de não praticar a automedicação. O melhor a se fazer é sempre procurar usar medicamentos prescritos pelo médico, seguindo suas orientações e do farmacêutico”, recomenda Silvana de Almeida.

Notícias