Conheça a síndrome que causa dores e desânimo e tirou Lady Gaga dos palcos

Do UOL, em São Paulo*

  • Reprodução/Instagram/@ladygaga

    Lady Gaga, que estava no Brasil para se apresentar no Rock in Rio, teve que cancelar seu show após fortes dores

    Lady Gaga, que estava no Brasil para se apresentar no Rock in Rio, teve que cancelar seu show após fortes dores

Fadiga, indisposição, distúrbios do sono e, principalmente, dor. Estas são as principais manifestações da fibromialgia, que afastou a cantora Lady Gaga dos palcos do Rock in Rio 2017.

"Brasil, estou arrasada de não estar bem o bastante para ir ao Rock in Rio", disse a cantora nas redes sociais. ""Fui levada ao hospital, não é apenas dor no quadril ou lágrimas da turnê, estou com muita dor", completou ela.

A doença é uma forma de reumatismo --pois envolve músculos, tendões e ligamentos – associada à forte sensibilidade frente a um estímulo doloroso. Nesta síndrome a dor é a própria doença, e não o alarme de algo a ser descoberto. E, com incômodo constante em diversas partes do corpo, é difícil manter a qualidade de vida.

"Sentindo dor sem um motivo aparente, o indivíduo sofre também com mudanças de humor, como irritabilidade e ansiedade", destaca Cláudio Correa, coordenador do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital Nove de Julho (SP) e presidente do Instituto Simbidor (SP).

"Além das alterações emocionais, são muito comuns a indisposição e a falta de energia", completa Suely Roizenblatt, especialista em reumatologia e professora adjunta da disciplina de Clínica Médica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que desenvolve estudo sobre a fibromialgia desde 1990.

O paciente ainda pode ser acometido por sonolência, sensação de edema nas mãos, dor de cabeça, síndrome do cólon irritável (diarreia crônica) e outros distúrbios gastrointestinais, síndrome de Raynaud (alteração temporária na coloração da pele) e bruxismo (ato de apertar e ranger os dentes durante a noite).

Mulheres

A fibromialgia é prevalente em mulheres - em uma proporção de dez para cada homem com o problema -, especialmente na faixa etária entre 36 e 60 anos. Estudos com crianças, adolescentes e grupos especiais são escassos e pouco conclusivos.

No Brasil, o número de diagnósticos vem crescendo. Em 2004, segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a fibromialgia afetava cerca de 2% da população e era motivo de aproximadamente 15% a 20% das consultas em ambulatórios de reumatologia. Hoje, acredita-se que acometa até 10% da população, de acordo com a Associação Brasileira de Fibromiálgicos (Abrafibro). A maioria dos casos (cerca de 80%) é de mulheres acima dos 25 anos.

Mesmo com o tratamento adequado, a cura nem sempre é garantida. "Muito embora a fibromialgia seja conhecida e estudada há muitos anos, ainda não se chegou a uma conclusão sobre sua origem. Por isso, não há um caminho a percorrer ou mesmo garantia quando o propósito é a cura. O grande desafio, no momento, é fazer com que a adesão ao tratamento aconteça", analisa Correa. 

Alarme defeituoso

Quem apresenta o distúrbio tem maior suscetibilidade à dor e uma falha na modulação da mesma: quando ela é desencadeada, fica difícil inibi-la. "É como um alarme defeituoso, que dispara por qualquer razão e não para de soar", destaca Moisés Cohen, professor e chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Unifesp, diretor do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte (SP).

O organismo é afetado por inteiro. "Trata-se de uma condição sistêmica – acomete todo o corpo – e crônica, que evolui com períodos de exacerbação e remissão. Nesse sentido, o tratamento deve ser o mais abrangente possível", completa Alexandre Walter de Campos, neurocirurgião responsável pelo Ambulatório de Dor do Hospital São Camilo (SP).

Em pesquisa feita em 2002 pela "Arthritis & Rheumatism", revista oficial do Colégio Americano de Reumatologia, com 20 mulheres diagnosticadas com o mal e dez sem a doença, estudiosos detectaram alterações no cérebro daquelas com fibromialgia. O processo de análise incluiu uma tomografia computadorizada.

Foi possível, então, observar que as que sofriam da doença apresentavam modificações no fluxo sanguíneo na região cerebral conhecida por mensurar a intensidade da dor. "E tais alterações se mostraram proporcionais à gravidade da disfunção", atesta o cirurgião vascular Wilson Rondó, especializado em medicina preventiva molecular e terapias antioxidantes pelo The Robert W. Bradford Institute (EUA).

Tratamentos

O tratamento envolve três pilares fundamentais, segundo Campos: medicamentos, em geral moduladores de humor que atuam em vias nervosas e alteram a concentração de alguns neurotransmissores; acompanhamento psicológico e eventualmente psiquiátrico, para ajudar em quadros ansiosos ou depressivos e dar suporte às limitações impostas que comprometem a qualidade de vida; e reabilitação e o condicionamento físico, necessários para reduzir a hipersensibilidade dolorosa musculoesquelética.

O exercício físico, aliás, é muito recomendado. "Ele atua de forma direta na dor e nos sintomas oriundos da patologia, como ansiedade e depressão", considera Robson Donato de Souza, personal trainer da Academia Competition "Salvo quem apresenta alguma contraindicação, todos os pacientes se beneficiarão ao praticar de forma regular."

A psicoterapia e o acompanhamento psiquiátrico também entram em cena se o indivíduo apresentar instabilidade emocional e quadros depressivos. "Na maioria das vezes, o portador não se sente física e emocionalmente saudável", diz o neurocirurgião Cláudio Correa. Isso acontece, em parte, porque os fibromiálgicos normalmente são desacreditados por não apresentarem sinais físicos evidentes e tampouco exames laboratoriais e de imagem que comprovem sua disfunção.

E há outras formas de terapia que podem se somar às tradicionais, como a hipnose dinâmica, a acupuntura e a eletroterapia, que emprega a estimulação elétrica com o objetivo de aliviar os desconfortos, o emprego de antioxidantes e dietas especializadas. "Em relação à hipnose, ela desvia a atenção do problema para que o cérebro não o perceba ou o interprete de maneira diferente", explica o psiquiatra Leonard Verea, especializado em medicina psicossomática e hipnose dinâmica.

Wilson Rondó recomenda, por sua vez, um programa que inclua alimentação individualizada. "Muitos pacientes têm alergia alimentar. Passando a comer de acordo com seu tipo metabólico, é possível promover uma considerável melhora no quadro."

*Essa matéria foi originalmente publicada em 25 de novembro de 2013

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos