PUBLICIDADE
Topo

Brasil tem 1.546 casos confirmados de coronavírus; mortes sobem para 25

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

22/03/2020 17h03

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil subiu para 1.546. Já o número de vítimas da covid-19, doença desencadeada pelo vírus, subiu para 25, de acordo com dados do ministério da Saúde.

Os números, apesar de oficiais, não refletem a realidade dos casos no Brasil. Ha fatores como a escassez de testes que podem verificar a presença do vírus, o que torna a quantidade de contaminados subnotificada. Outro fator são os pacientes assintomáticos, que não conseguem saber se estão ou não contaminados, dificultando a contabilização.

O próprio ministério admite que há uma defasagem nos dados, e que 80% dos casos da covid-19 são assintomáticos.

São Paulo continua liderando o número de mortes e de casos confirmados. São 22 vítimas no estado e 631 confirmações. O Rio de Janeiro vem em seguida, com 186 casos confirmados e três mortes. Agora, todos os estados do Brasil já têm casos confirmados do novo coronavírus; até ontem, Roraima não apresentava casos da covid-19.

A mortalidade do novo coronavírus no país, ou seja, a quantidade de mortos sobre a quantidade de casos confirmados, está em 1,6%. Em São Paulo, essa taxa salta para 3,5%.

Hoje, o ministro Luiz Henrique Mandetta chegou a defender o adiamento das eleições municipais deste ano por conta da crise do novo coronavírus.

"Eleição no meio deste ano é uma tragédia", afirmou Mandetta em videoconferência organizada pela Frente Nacional dos Prefeitos . "Vai todo o mundo querer fazer ação política. Eu sou político, eu sou político, não se esqueçam disso."

Mais tarde, em entrevista coletiva, o ministro tentou amenizar a própria fala. "Hoje eu fiz um comentário junto com os prefeitos no seguinte contexto: como tem prefeitos tomando decisões pensando nas eleições, e tem oposição aos prefeitos que vão na rádio cobrar medidas mais duras porque está pensando nas eleições, tem candidato que pensa que a medida tem que ser mais branda pensando nas eleições. Tá na hora da gente pensar nas próximas gerações do que nas próximas eleições"

Mandetta também afirmou hoje que há uma tendência de desaceleração da contaminação pela covid-19 a partir do momento em que metade da população apresentar o vírus em seu organismo.

"O que a gente sabe é que quando passa de 50% da população infectada, o vírus já não consegue multiplicar mais na mesma velocidade. Se vai ser 50%, 60% ou 70% da população, isso é secundário", disse o ministro

10 milhões de testes

Ontem, o ministério afirmou que vai comprar dez milhões de testes rápidos para diagnosticar o novo coronavírus e distribuir para todo o país. Em até oito dias, disse o secretário de Vigilância em Saúde Wanderson Kleber de Oliveira, um carregamento inicial de cinco milhões de testes será distribuído aos estados.

No decorrer das semanas, a ideia é que chegue a dez milhões o número de testes distribuídos, avaliados em R$ 75 cada. O ministério estuda parcerias com empresas privadas para conseguir os testes por meio de doação, mas, caso não sejam concretizadas, a pasta vai arcar com os custos dos testes.

O ministério citou a mineradora Vale como uma das empresas privadas que podem auxiliar na logística que envolve a produção e distribuição dos testes rápidos.

"A Vale é uma empresa genuinamente brasileira, teve seus problemas, como todas têm, mas é uma empresa de grande valia, tem logística no mundo inteiro. Eles têm as pessoas na ponta e agora a gente precisa de gente do campo, com a agilidade típica da iniciativa privada. A performance do poder público, de licitação, muitas vezes não funciona para momentos como esse", afirmou Mandetta na entrevista coletiva de hoje.

Questionado pelos jornalistas, o ministro não deixou claro como serão distribuídos os testes, nem se estarão restritos aos profissionais da saúde.

"O teste rápido é para vigilância, então esse teste vai ser para focar nos profissionais de saúde, na linha de frente, para que a gente não perca essa força de trabalho", disse o ministro em um primeiro momento. Depois, afirmou que "a maior parte" dos testes seria destinada aos trabalhadores da saúde pública.

Transmissão sustentada

Na última sexta-feira (20), o ministério da Saúde declarou que todo o território nacional está sob a condição de transmissão comunitária (ou sustentada) do novo coronavírus. Isso se dá quando não há como detectar a origem da contaminação no paciente. O status do país foi confirmado por meio de uma portaria publicada pelo governo.

Segundo o ministro da Saúde, os casos da covid-19 devem "disparar" em abril, e o sistema de saúde público do país deve entrar em colapso. "O colapso é quando você pode ter o dinheiro, você pode ter o plano de saúde, você pode ter a ordem judicial, mas simplesmente não há o sistema pra você entrar. É o que está vivenciando a Itália", disse o ministro Luiz Henrique Mandetta na sexta-feira.

Até a última quinta, a pasta argumentava que esse tipo de contaminação estava presente apenas nos estados de São Paulo e Pernambuco, no interior de Santa Catarina, e nas cidades de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Pelo mundo

Os dados mais recentes compilados pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, mostram que há cerca de 319 mil casos do novo coronavírus confirmados no mundo. São mais de 13 mil vítimas da covid-19. A China continua liderando a lista, com 81 mil casos confirmados, seguida da Itália, Espanha e Estados Unidos.

A Itália superou a China em número de mortes — são cerca de 5,4 mil vítimas. Ontem, o país bateu dois recordes em relação à pandemia: 793 mortes e 6,5 mil casos confirmados em apenas 24 horas, segundo dados da Proteção Civil.

Saúde