PUBLICIDADE
Topo

Justiça manda governador de RO, pró-Bolsonaro, manter comércio fechado

O governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (à esq.) durante a campanha eleitoral - Reprodução/Facebook
O governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (à esq.) durante a campanha eleitoral Imagem: Reprodução/Facebook

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

31/03/2020 10h36Atualizada em 01/04/2020 20h59

A Justiça de Rondônia determinou ontem à tarde que o governo estadual não reduza o isolamento social até que o estado e seus municípios provem que tenham kits para detectar a covid-19, doença causada pelo coronavírus, estruturem e coordenem as redes de saúde locais e forneçam equipamentos de proteção para os profissionais de saúde.

Rondônia, assim como Santa Catarina e Mato Grosso, foi um dos três Estados que apoiou a reabertura de parte do comércio após o pronunciamento de rádio e TV do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última terça-feira (24), no qual ele disse que as medidas do gênero seriam "histeria".

Na liminar, a juíza Inês Moreira da Costa deu 48 horas para que o governo de Rondônia e o governador Coronel Marcos Rocha, aliado de Bolsonaro, prestem informações sobre as alegações do MP na ação.

A promotoria cita a Organização Mundial de Saúde e defende o isolamento social como medida para barrar o avanço da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Rondônia tem, oficialmente, seis casos da doença. Mas os números reais, no Brasil e no mundo, devem ser maiores.

Restaurante em rodovias foram reabertos

As restrições em Rondônia foram flexibilizadas dias após a fala de Bolsonaro. Foi permitida a reabertura de restaurantes à margem de rodovias, além do transporte aquaviário.

Ontem (29), Santa Catarina anunciou que recuou no plano de reabrir comércio e serviços a partir de 1º de abril. Segundo o governador Carlos Moisés (PSL) disse a prefeitos, a reabertura do comércio dependerá da chegada de recursos e equipamentos para profissionais da saúde por parte do governo federal, além de materiais para leitos de UTI já adquiridos pela secretaria estadual da saúde.

Por enquanto, apenas Mato Grosso mantém o discurso de que permitirá a volta gradual do comércio. Mas o MP Estadual ingressou com uma ação contra a mudança nas medidas restritivas.

Coronavírus