PUBLICIDADE
Topo

Estudo mostra que máscaras cirúrgicas são menos eficientes contra covid-19

Uso de máscaras do tipo N95 poderia ter evitado contaminações de profissionais da saúde - iStock
Uso de máscaras do tipo N95 poderia ter evitado contaminações de profissionais da saúde Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

02/06/2020 14h38Atualizada em 03/06/2020 08h00

Uma nova análise de 172 estudos diferentes apontou que as máscaras cirúrgicas não são a melhor opção no combate à contaminação pelo coronavírus, principalmente para profissionais da saúde. A pesquisa, publicada ontem na revista científica Lancet, chega à conclusão de que o uso de máscaras do tipo N95 seria muito mais eficiente contra a covid-19.

O uso de máscaras cirúrgicas, mais simples e baratas que as N95, segue sendo a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) para profissionais da saúde que não precisem realizar procedimentos de contato mais direto com doentes da covid-19.

A organização chegou a recomendar o uso das máscaras N95 como EPI (Equipamento de Proteção Individual) para todos os profissionais no início da pandemia, mas voltou atrás depois que os estoques do equipamento começaram a rarear por todo o mundo e recomendou que a N95 fosse usada por quem estivesse na linha de frente do combate ao coronavírus.

A análise publicada na Lancet foi financiada pela OMS e provou que o uso de máscaras N95 oferece 96% de proteção contra a contaminação, enquanto as cirúrgicas resultam em apenas 77%.

Além dos profissionais da saúde, o uso das máscaras N95 também poderia proteger melhor e ter evitado mais contaminações em funcionários de frigoríficos e fazendas. Isso porque o equipamento conta com um respirador que ajuda a filtrar a passagem de possíveis gotículas com o vírus.

Assim como as máscaras, também foi possível comprovar a eficácia da proteção dos olhos. Protetores faciais e óculos poderiam diminuir consideravelmente a taxa de contaminação de profissionais da saúde se usados, segundo o estudo.

Outras conclusões trazidas pela nova análise são sobre os efeitos do distanciamento social como medida de prevenção. A publicação mostrou que a distância de um metro é suficiente para reduzir o risco de contágio de 13% para apenas 3%.

Coronavírus