PUBLICIDADE
Topo

Uberaba dará medicamentos sem eficácia comprovada contra covid a pacientes

Comprimidos de ivermectina - SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Comprimidos de ivermectina Imagem: SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

16/07/2020 15h19

A Prefeitura de Uberaba (MG) autorizou a retirada gratuita de quatro medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento contra a covid-19 a pacientes de casos leves da doença. São eles: ivermectina, azitromicina, cloroquina e hidroxicloroquina. A decisão foi publicada na edição de ontem do Diário Oficial do município.

Segundo a recomendação da prefeitura, o paciente só poderá retirar o medicamento nas farmácias autorizadas mediante apresentação da receita e a notificação de caso leve de covid-19 ou síndrome gripal suspeita. Tanto o médico quanto o paciente serão obrigados assinar um termo de responsabilidade pelo uso dos remédios.

"Não é um protocolo. Como há muitas divergências no Brasil e no mundo sobre a utilização destes medicamentos, o que fizemos foi posicionar uma orientação e responsabilização de médicos e pacientes que queiram fazer uso dos medicamentos", explicou o secretário de Saúde de Uberaba, Iraci de Souza Neto.

Os medicamentos estarão disponíveis nas farmácias da URS (Unidade Regional de Saúde) de São Cristóvão e de Boa Vista, na Farmácia Solidária (no bairro Mercês) e na Farmácia da Gente.

Tanto a hidroxicloroquina quanto a cloroquina, cujo uso é amplamente defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), tiveram a sua eficácia descartada no combate à covid-19 pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e outras autoridades médicas.

O mesmo aconteceu com a ivermectina. Na semana passada, Anvisa divulgou uma nota técnica lembrando que o medicamento é recomendando contra parasitas. Em estudos recentes, o remédio até mostrou resultados positivos contra uma ampla gama de vírus, mas a conclusão foi feita com base apenas em estudos in vitro, ou seja, sem a etapa seguinte de testes em humanos.

"Os resultados encontrados in vitro não podem ser tomados como verdadeiros in vivo", advertiu o órgão, acrescentando que há apenas um estudo em andamento no Brasil para a comprovação da eficácia do medicamento contra a covid-19. A iniciativa, porém, tem previsão de conclusão para julho de 2021 e não teve a anuência da Anvisa.

Os primeiros resultados de uma triagem de drogas no ICB (Instituto de Ciências Biomédicas) da USP também apontaram que a ivermetcinta não teve um desempenho satisfatório contra a covid-19.

Até o último boletim da SES (Secretaria de Estado de Saúde) de Minas Gerais, divulgado na manhã de hoje, o estado tem 84.470 casos confirmados do novo coronavírus e 1.834 mortes. Na cidade de Uberaba são 1.116 casos e 35 mortes em decorrência da covid-19.

Coronavírus