PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Covid: Mandetta lamenta 80 mil mortes e pede respeito ao tempo da ciência

Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, disse que é preciso respeitar o tempo da ciência - DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, disse que é preciso respeitar o tempo da ciência Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

DO UOL, em São Paulo

21/07/2020 09h13

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta lamentou, em post publicado em seu Twitter, a marca de 80 mil mortes no Brasil por covid-19. Na mensagem, Mandetta ainda disse que é preciso se prevenir e respeitar o tempo da ciência.

"80.000 vidas perdidas. Solidariedade às famílias.Ainda sem testes confiáveis. Ainda sem medicamentos confiáveis. Ainda sem vacinas confiáveis. A alternativa correta é prevenir e respeitar o tempo da ciência. Se puder, fique em casa", escreveu.

De acordo com levantamento do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, o Brasil ultrapassou ontem a marca de 80 mil vítimas da infecção provocada pelo novo coronavírus desde o início da pandemia. São 80.251 mortos.

Mandetta era o ministro da Saúde durante o começo da pandemia, mas foi demitido em abril pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) diante de discordâncias em relação à conduta da pasta, principalmente quanto ao isolamento social.

Defensor de medidas de distanciamento como forma mais eficaz para controlar a disseminação do vírus, o ex-ministro faz referência a "respeitar o tempo a ciência" no dia em que foram apresentados pareceres positivos em relação às primeiras fases de testes em duas vacinas, uma britânica e outro chinesa.

Porém, como ainda não há uma previsão para a liberação da vacinação na população, Mandetta repetiu que a melhor estratégia é se prevenir. Ele ainda lembrou que não há medicamentos com eficácia comprovada contra a doença.

Veículos se unem em prol da informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro (sem partido) de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa e assim buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus