PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Com 335 novas mortes, Brasil atinge 141.776 óbitos por covid-19

Túmulos no cemitério São Francisco Xavier (RJ) em meio à pandemia de covid-19 - Ricardo Moraes/Reuters
Túmulos no cemitério São Francisco Xavier (RJ) em meio à pandemia de covid-19 Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

Do UOL, no Rio

27/09/2020 18h27

As mortes pelo novo coronavírus chegaram hoje a 141.776 no Brasil, com novos 335 óbitos confirmados nas últimas 24 horas. O levantamento foi feito pelo consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte.

Entre ontem e hoje, foram registrados 13.800 novos diagnósticos e o total de infectados desde o início da pandemia passou a 4.731.915.

A média móvel de mortes, calculada com base nos números de mortos dos últimos sete dias, é de 697, o que representa estabilidade em relação à variação de 14 dias atrás.

Dados do Ministério

Dados do Ministério da Saúde apontam 335 novos óbitos em 24h, e um total de 141.741 mortes em decorrência do novo coronavírus.

Em relação a ontem foram 14.318 novos casos confirmados; o total de infectados no país é de 4.732.309, ainda segundo a pasta.

O governo considera 4.060.088 casos recuperados e afirma que há 530.480 pacientes em acompanhamento.

São Paulo continua como o estado com maior quantidade de casos e óbitos (972.237 diagnósticos e 35.108 mortes).

Na tabela enviada pelo ministério, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Ceará completam a lista dos cinco estados com os maiores números de casos confirmados da doença.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde