PUBLICIDADE
Topo

Saúde

RJ: Nutricionista morre após procedimento estético com silicone industrial

Segundo amiga, Patrícia Rodrigues dos Santos (foto) havia perdido conhecida recentemente após intervenção semelhante - Reprodução
Segundo amiga, Patrícia Rodrigues dos Santos (foto) havia perdido conhecida recentemente após intervenção semelhante Imagem: Reprodução

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

22/10/2020 19h35

Uma nutricionista de 34 anos morreu horas após passar por um procedimento estético. Na noite dessa terça-feira (20), Patrícia Rodrigues dos Santos foi à uma clínica para aplicar silicone industrial nos glúteos, e procurou por um massoterapeuta para realizar o procedimento. De acordo com a Polícia Civil, o homem — que não teve o nome divulgado — já prestou depoimento.

Ainda na mesma noite, horas após a aplicação, Patrícia Rodrigues se sentiu mal e vomitou em casa. Pouco depois, na madrugada de ontem, a nutricionista foi até uma clínica em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, já com aparência fraca e falta de ar. Pela manhã, a mulher havia morrido.

Uma amiga da nutricionista, que pediu para não ser identificada, contou ao UOL que conhecia Patrícia há mais de 10 anos. De acordo com ela, a mulher sempre teve interesse por esses tipos de procedimentos. A amiga disse ainda que achou a morte dela estranha, já que, há dois anos, elas perderam uma conhecida em circunstâncias semelhantes.

"Não dá para acreditar. Ela era uma pessoa maravilhosa, dedicada, amiga de todo mundo, batalhava e estudava sempre. Encontrei com ela tem quase um mês. Ela dizendo para eu depois marcar para vê-la, que ela iria mudar um pouquinho, porém eu já estava na expectativa, porque ela sempre curtiu esse lado marombeiro", disse a amiga.

"Ela sabia de todos os procedimentos, o que podia e não podia, até porque perdemos uma amiga com embolia pulmonar devido ao mesmo procedimento. Ela sabia o que estava fazendo. Tomara que as pessoas paguem pelos seus atos. Está cada vez mais difícil. As pessoas não estão medindo as consequências dos seus atos. Por mais que ela tenha comprado as coisas, acho que vai do profissional fazer ou não. Achei um absurdo", acrescentou.

O enterro de Patrícia foi realizado hoje, no Cemitério do Maruí, em Niterói, também na região metropolitana.

Suspeito pode responder por homicídio doloso

De acordo com as investigações, Patrícia Rodrigues, além de levar o material para realizar o procedimento, ainda pagou R$ 2.151,80 pela intervenção. Segundo o delegado Allan Duarte, responsável pelo caso, "há uma suspeita de morte por microembolia, que é compatível com o uso deste produto".

Em nota, a Polícia Civil informou que "as investigações estão em andamento na 72ª DP (São Gonçalo) para apurar os fatos. O responsável pelo procedimento cirúrgico prestou depoimento na unidade policial. A polícia agora aguarda o resultado do exame complementar. O massoterapeuta responsável pela clínica vai responder pelo crime de exercício ilegal da medicina e pode responder por homicídio doloso".

Saúde