PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

SP: Priorizamos a linha de frente, não há vacina para todos, diz secretário

Para o "SP1", Gorinchteyn disse que SP está "com algumas tratativas" com a China para receber novas remessas do insumo da CoronaVac - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Para o 'SP1', Gorinchteyn disse que SP está 'com algumas tratativas' com a China para receber novas remessas do insumo da CoronaVac Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Do UOL, em São Paulo

19/01/2021 14h04

O secretário de Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse hoje que, mesmo entre os trabalhadores que atuam em hospitais e demais unidades da área da saúde, haverá priorização levando em conta quem está mais na linha de frente contra o novo coronavírus para decidir quem receberá a CoronaVac pois, "infelizmente", não há doses para todos.

"Infelizmente, nós não temos doses para todos, então nós vamos priorizar aquelas pessoas que estão na linha de frente, que atendem nos prontos-socorros, que atendem nas enfermarias, que atendem nas próprias UTIs (Unidades de Terapia Intensiva)", disse Gorinchteyn em entrevista para o "SP1", da TV Globo.

Não adianta a gente dizer 'ah, eu tenho um profissional que trabalha na área da saúde, mas é no escritório'. Ele vai receber, mas ele não vai, nesse momento, ser a prioridade frente à necessidade da gente proteger aqueles que tem um maior risco de ficar doentes e não podem ser afastados pois se não nós perdemos médicos, enfermeiras, fisioterapeutas que estão ali atendendo os doentes" Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de SP

Ainda na entrevista para o "SP1", Gorinchteyn disse que o governo de SP está "com algumas tratativas" com o governo chinês para que o Instituto Butantan possa receber novas remessas do insumo necessário para produzir a CoronaVac, que ainda não foram enviadas da China.

"Nós tínhamos recebido 6 milhões de doses que já vieram prontas [da China], e as outras 4 milhões de doses terminam sua produção agora, nesses próximos dias, e, dessa forma, precisamos desses insumos para não encerrar a produção [do Butantan] e, com isso, retardar o nosso Programa Nacional de Imunização", afirmou.

Ontem, Dimas Covas, presidente do Butantan, já havia dito que "preocupa" a possível falta de matéria-prima para a produção de doses da CoronaVac. "Essa matéria-prima precisa chegar para não parar o processo de produção. E esperamos que isso aconteça muito rapidamente", pontuou.

Idosos não devem procurar postos

Hoje pela manhã, também em entrevista para a TV Globo, o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, também falou sobre priorização e disse que idosos que não moram em instituições de longa permanência não devem procurar postos de saúde para se vacinarem.

"Vamos priorizar neste primeiro momento os médicos e enfermeiros que estão na linha de frente. E também aqueles que trabalham no resgate do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência)", alertou Aparecido.

Saúde