PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

PGE recomenda que Amazonas retome distribuição da vacina AstraZeneca

Mesmo com a distribuição, retomada das vacinações será possível quando planos de imunização seguirem diretrizes da Saúde - Adnan Abidi/Reuters
Mesmo com a distribuição, retomada das vacinações será possível quando planos de imunização seguirem diretrizes da Saúde Imagem: Adnan Abidi/Reuters

Do UOL, em São Paulo

27/01/2021 10h30Atualizada em 27/01/2021 11h41

A PGE (Procuradoria Geral do Estado) enviou um oficio para a FVS-AM (Fundação de Vigilância em Saúde), recomendado a entrega de doses da vacina AstraZeneca aos municípios do interior do Amazonas. A medida foi tomada após um novo despacho da 1ª Vara Federal Cível da Justiça Federal, emitida ontem, no qual era reforçado que a distribuição deveria continuar sendo realizada.

Mesmo com a redistribuição, a retomada da vacinação contra a covid-19 no estado só poderá ocorrer quando o município apresentar um plano de imunização seguindo as diretrizes e regras nacionais, estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

A juíza Jaiza Maria Pinto Fraxe assina o documento e diz que os prefeitos foram alertados sobre a necessidade de lisura, transparência e moralidade na campanha de vacinação.

Em Manaus, capital do Amazonas, a aplicação do imunizante será retomado após a Semsa (Secretaria Municipal de Saúde) realizar um plano de vacinação conforme os padrões do PNI (Plano Nacional de Imunização).

Lista de vacinados com dados errados em Manaus

Ontem, a prefeitura de Manaus admitiu erros na lista de vacinados que havia sido divulgada a pedido da Justiça, após casos de pessoas fora do grupo prioritário que "furaram a fila" da vacinação surgirem na região.

Segundo a prefeitura, os erros seriam de digitação dos dados no sistema, a partir de planilhas físicas de vacinados. A duplicidade de nomes e CPFs foram identificadas, totalizando 10 CPFs em investigação. A prefeitura nega que mais de 1,5 mil falhas de CPFs, apontadas nas redes sociais, sejam verdadeiras.

Outro ponto questionado pela juíza foi o uso da denominação "outros" para a identificar 1.421 pessoas que foram vacinadas. Segundo a prefeitura, a classificação está prevista nos critérios do Ministério da Saúde.

"A categoria "outros", também estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS), unifica diferentes atividades inseridas na rotina de atendimentos em estabelecimentos de saúde não descritas como categoria específica. Desse grupo, de acordo com o 2º Informe Técnico do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, fazem parte profissionais como o agente comunitário de saúde, o auxiliar de Patologia Clínica, o técnico de raio-X, o técnico de patologia, o auxiliar e cuidador de idosos", diz a nota.

O Amazonas já recebeu 459.420 doses de vacina contra a Covid-19. De acordo com o despacho judicial, as pessoas que "furaram fila" serão responsabilizadas legalmente pelos atos e não poderão tomar a segunda dose da vacina até que chegue oficialmente a vez do grupo ao qual pertence, conforme o cronograma de imunização.

Coronavírus