PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Após pedido do MPF, Belém inclui indígenas Warao em vacinação prioritária

Índios venezuelanos da etnia Warao são cada vez mais presentes no norte do Brasil em cidades como Belém, Manaus e Roraima - Reprodução/AFP
Índios venezuelanos da etnia Warao são cada vez mais presentes no norte do Brasil em cidades como Belém, Manaus e Roraima Imagem: Reprodução/AFP

Do UOL, em São Paulo

03/02/2021 14h49

Após uma recomendação do MPF (Ministério Público Federal) a Prefeitura de Belém alterou o cronograma e começou hoje a vacinar os indígenas venezuelanos da etnia Warao no grupo de vacinação prioritária contra a covid-19.

O pedido de inclusão foi enviado à Prefeitura de Belém e ao governo do Pará na sexta-feira (29), alertando para a situação crítica desses indígenas que, inicialmente, não estavam no grupo prioritário.

Além da capital, outras cidades do estado que abrigam os indígenas devem incluí-los na vacinação prioritário, mas as datas ainda não foram informadas.

Na recomendação, o procurador da República Felipe de Moura Palha afirma que "além de o plano estadual de vacinação prever a prioridade a indígenas e outros grupos vulneráveis, profissionais de saúde apontam que os riscos da covid-19 à vida dos Warao é intensificado pelas condições críticas da situação de refugiados, que aumentam a contaminação e os impactos da doença".

Uma nota técnica elaborada pela Rede de Consultórios na Rua, serviço vinculado à SMS (Secretaria Municipal de Saúde) de Belém, os padrões clínicos dos Warao são semelhantes aos de populações em situação de rua e carcerária, com quadros de desnutrição, alta incidência de tuberculose, e alta exposição à covid-19, com capacidade limitada de proteção contra a propagação da doença, mesmo em abrigos institucionalizados.

Além disso, eles vivem em situação de maior vulnerabilidade em relação à transmissão do vírus, porque na maior parte do tempo vivem em grupos e compartilhando os mesmos utensílios.

De acordo com a agência da ONU (Organização das Nações Unidas) para refugiados, o Pará atualmente acolhe cerca de 900 indígenas venezuelanos que buscam a condição de refugiados no Brasil.

Saúde