PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

São Paulo pode ser um dos focos da variante de Manaus, alerta imunologista

Capital de São Paulo pode se tornar um dos focos da cepa de Manus por ser a principal rota de aviões vindos da cidade - NurPhoto/Colaborador Getty Images
Capital de São Paulo pode se tornar um dos focos da cepa de Manus por ser a principal rota de aviões vindos da cidade Imagem: NurPhoto/Colaborador Getty Images

Do UOL, em São Paulo

14/02/2021 15h18Atualizada em 14/02/2021 15h28

O primeiro caso da variante conhecida como cepa de Manaus da covid-19 foi confirmada ontem na cidade de São Paulo, em um paciente que não viajou para o Amazonas. É possível que a nova variante se espalhe pela capital paulista, de acordo com as declarações da imunologista e professora Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMT-USP), em entrevista à CNN.

"O mundo é muito conectado e já é grave o fato de encontrarmos em Manaus. São Paulo é a principal rota dos aviões que vêm de Manaus, então, é de se esperar que São Paulo seja um dos próximos focos da transmissão dessa variante", disse a especialista ao ser questionada sobre a gravidade da transmissão doméstica detectada em São Paulo.

Até o momento, os casos registrados da variante de Manaus em outros locais foram diagnosticados em pessoas que tiveram contato com alguém que viajou para região ou que haviam viajado para o Amazonas. Por esse motivo, a imunologista reforçou o alerta para que a população mantenha os cuidados para evitar a propagação da nova cepa.

"As pessoas devem se preocupar. A chance é que realmente se espalhe. Então, quanto mais cuidado as pessoas tenham, menor o risco das pessoas se infectarem. Então sim, é uma notícia ruim", disse à CNN.

A imunologista também comentou que não poderia confirmar sobre a possibilidade da transmissão local ter ocorrido no caso do paciente anunciado ontem pela Prefeitura de São Paulo, mas que as chances são altas.

Para Ester Sabino, é necessário que a população coopere com a redução da taxa de transmissibilidade do vírus, senão a luta contra a pandemia será "um processo infinito" e sem controle.

"Quanto mais a gente prolonga esse processo, ele dura mais. As vacinas foram feitas para a primeira linhagem, a gente precisa estudar mais para saber o quão eficaz serão para as novas linhagens. A ciência está correndo atrás, mas o tempo depende também da ajuda da população."

A taxa de transmissibilidade das novas variantes é mais alta e mais resistente às vacinas desenvolvidas por conta da forma como agem no corpo. Segundo a professora da Faculdade de Medicina da USP, a cepa da Inglaterra tem uma mutação que ajuda a ligar o vírus ao receptor.

Já as mutações da África do Sul se mostram efetivas em fazer com que o vírus escape dos anticorpos neutralizantes. Isso causa reinfecção e aumenta a chance de escapar da resposta à vacina, segundo a entrevista de Ester Sabino para a CNN.

Paciente da nova cepa em SP teve quadro leve

O paciente identificado com a variante de Manaus apresentou sintomas leves e não precisou ser internado. A prefeitura reservou, desde o final de janeiro, dez leitos isolados no Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, para tratar a nova cepa.

Ontem, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVISA) afirmou que os diagnosticados com a nova variante do coronavírus demandam os mesmos cuidados da covid-19.

Em casos de suspeita de contaminação, é necessário realizar exames e isolamento, além de comunicar e pedir que pessoas que tiveram contato recente ou constante que sigam o mesmo procedimento.

Coronavírus