PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
2 meses

Pela 1ª vez, RS classifica Porto Alegre como altíssimo risco para covid

Comércio varejista não essencial não pode funcionar na bandeira preta - Omar de Oliveira/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Comércio varejista não essencial não pode funcionar na bandeira preta Imagem: Omar de Oliveira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL

19/02/2021 19h59

Pela primeira vez desde o início da pandemia, Porto Alegre foi classificada como bandeira preta de contágio à covid-19, considerada a fase mais restritiva de combate ao coronavírus. Além da capital gaúcha, outras dez regiões do Rio Grande do Sul estão na mesma situação. Segundo o governo do Estado, a bandeira preta indica altíssimo risco para esgotamento da capacidade hospitalar e velocidade de disseminação do vírus.

Em uma live, o governador do Estado, Eduardo Leite (PSDB), disse que a situação é "bastante grave" e anunciou a suspensão geral de atividades em todo Estado das 22h até as 5h - a contar de sábado. "Não é chamado de toque de recolher porque há discussão jurídica da possibilidade de toque de recolher que impeça o deslocamento de pessoas."

Outras dez regiões foram enquadradas como bandeira vermelha, considerada mais branda em relação à preta. As classificações são preliminares e podem ser alteradas caso os recursos dos municípios sejam aceitos. Para isso, as prefeituras precisam fazer a contestação em um prazo de até 36 horas, que se encerra no domingo (21).

Segundo o governo estadual, a área considerada em bandeira preta abrange 68,4% da população do Estado. Apesar da situação inédita em Porto Alegre, não é a primeira vez que regiões do Rio Grande do Sul entram nesta fase. Isso já aconteceu outras duas vezes: entre 15 a 21 de dezembro e entre 5 a 11 de janeiro.

Com a bandeira preta, ficam fechados o comércio varejista - tanto de rua quanto de shoppings e centros comerciais - e atacadista não essencial. Academias, centros de treinamento, estúdios e serviços de educação física em piscinas - abertas ou fechadas, clubes sociais e esportivos também não podem operar. Ainda foram inclusos na lista serviços de cabeleireiros, barbeiros e petshop.

Além disso, clubes de futebol profissionais também não podem funcionar e competições esportivas estão suspensas. Nos serviços domésticos, não podem trabalhar faxineiros, cozinheiros, motoristas, babás e jardineiros.

A educação infantil em creches e pré-escolas, o Ensino Fundamental, de anos iniciais e finais, o Ensino Médio e Técnico e o Ensino Superior (incluindo graduação e pós-graduação) só podem ocorrer de forma remota.

Saúde