PUBLICIDADE
Topo

Saúde

"Não temos nada concreto", diz Anvisa sobre spray defendido por Bolsonaro

Antônio Barra Torres, presidente da Anvisa - Pedro França/Agência Senado
Antônio Barra Torres, presidente da Anvisa Imagem: Pedro França/Agência Senado

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

26/02/2021 04h00Atualizada em 26/02/2021 09h57

O presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, disse que não há informações oficiais na agência sobre o spray nasal defendido por Jair Bolsonaro (sem partido) como um medicamento que "tem tudo para revolucionar o tratamento da covid".

Na semana passada, Bolsonaro disse que já havia "conversado" com a Anvisa" e que em breve enviaria pedido para análise do uso emergencial (em grupos de risco) do fármaco originalmente desenvolvido em Israel para combater câncer de ovário e em fase inicial de teste para o enfrentamento da doença causada pelo novo coronavírus.

"Concretamente chegou algum papel à Anvisa pedindo registro, pedindo autorização de estudo clínico no Brasil? Não. Não chegou nada. Não temos concretamente nada disso daí", disse Barra Torres ao UOL.

Em conversa com apoiadores, Bolsonaro disse que contatou o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, e que o Brasil participará dos estudos em fase 3 da pesquisa, com testes em larga escala com milhares de voluntários. (assista abaixo)

Até ontem a agência não havia feito nenhuma reunião com o Centro Médico Ichilov de Israel, que desenvolve o medicamento EXO-CD24.

O medicamento experimental tem despertado a esperança dos cientistas que o desenvolveram e passou a ser promovido pelo governo israelense, mas, segundo Nadir Arber, responsável pelo desenvolvimento do tratamento, ainda precisa passar por novos testes para garantir que é eficiente e seguro —critérios analisados pela Anvisa para autorizar ou não o uso de medicamentos no Brasil.

Na última quarta, o presidente Bolsonaro disse a apoiadores, em frente ao Palácio do Alvorada, que uma comitiva brasileira irá a Israel neste fim de semana conhecer o spray.

Até agora, governo Bolsonaro já financiou com quase R$ 90 milhões de verba pública medicamentos sem eficácia comprovada contra covid-19, como a cloroquina, outra aposta do presidente.

Teste com 30 pessoas

A pesquisa com o medicamento está numa etapa inicial e foi testado em 30 pessoas com coronavírus em internação em UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Há a expectativa de que os primeiros estudos do spray sejam divulgados no final de março.

"Seria, de fato, uma medicação que teria algum resultado positivo com pacientes que estavam em uso de ventilação mecânica, pacientes de UTI. [Pacientes] Portanto já hospitalizados e que estariam obtendo bons resultados com a inalação deste produto durante alguns minutos e durante alguns dias seguidos", afirmou Torres.

Ele considerou que poderia ser interessante, por exemplo, um estudo clínico no Brasil sobre o medicamento. Mas não há nenhum pedido à agência.

Procurada pelo UOL, a Secretaria de Comunicação do governo não se manifestou sugeriu que os questionamentos fossem direcionados aos ministérios da Saúde e das Relações Exteriores. O Itamaraty enviou a seguinte nota:

'Os governos de Brasil e de Israel têm trabalhado conjuntamente para aprofundar modalidades de cooperação na área de saúde. O Itamaraty tem apoiado o diálogo entre os dois governos sobre o tema, em coordenação com o Ministério da Saúde e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Eventual missão oficial àquele país será informada oportunamente. '

Saúde