PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Com cloroquina em baixa, Bolsonaro lança spray

Brasil deve participar de testes de spray israelense contra casos graves de Covid - Reprodução
Brasil deve participar de testes de spray israelense contra casos graves de Covid Imagem: Reprodução
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

15/02/2021 19h45

Houve um tempo em que os carnavais eram animados à base de lança-perfume. Vinham em frascos de metal e de vidro. A grande dúvida do folião era se levaria seu suprimento de animação num recipiente parecido com uma granada ou numa ampola de vidro, que permitia saber quando a munição estava acabando. Neste Carnaval de 2021, cancelado pelo vírus, Jair Bolsonaro desfilou nas redes sociais uma fantasia nova: um spray nasal capaz de deter a Covid.

O Rio de Janeiro informou que terá de interromper a vacinação na Quarta-Feira de Cinzas. Acabou a vacina. No mesmo dia, governadores se reunirão com o general Eduardo Pazuello, suposto ministro da Saúde, para cobrar um cronograma de distribuição de novas doses de vacina. A escassez é nacional. Simultaneamente, o ministro Ricardo Lewandowski determinou a realização de diligências que rebaixam a cloroquina do patamar de elixir milagroso para a condição de caso de polícia.

Num país normal, o presidente estaria em Brasília discutindo com sua equipe formas de atenuar a crise sanitária que mata os brasileiros e sufoca a atividade econômica. Mas no Brasil carnavalizado de Bolsonaro, o presidente desfila de moto aquática, promovendo aglomerações virais nas praias catarinenses. Numa hora vaga, Bolsonaro plugou-se no Twitter para borrifar sua nova idiossincrasia na cara dos brasileiros.

"EXO-CD24 é um spray nasal desenvolvido pelo Centro Médico de Ichilov, em Israel, com eficácia próxima de 100%, em casos graves, contra a Covid", anotou Bolsonaro. "Brevemente será enviado à Anvisa o pedido de análise para uso emergencial do medicamento."

O spray que encantou Bolsonaro foi desenvolvido para o tratamento de câncer no ovário. Foi testado em 30 pacientes com Covid. Diz-se que ajudou na recuperação. Mas a ensaio clínico é incipiente, o número de cobaias é ínfimo, não houve acompanhamento pós-hospitalar, os resultados não foram publicados. Quer dizer: não há comprovação científica do efeito do spray no combate ao coronavírus.

Ao anunciar que a Anvisa logo receberá um pedido de uso emergencial do spray, Bolsonaro desperta nos brasileiros mais velhos —esses que aguardam na fila da vacina— uma certa nostalgia do lança-perfume. Travava-se uma guerra diferente nos Carnavais de outrora. Os alvos principais eram as costas nuas das odaliscas. Quando necessário, disparavam-se jatos de lança-perfume nos olhos do inimigo.

Além de provocar calafrio nas meninas e de embaçar a vista dos adversários, o lança-perfume dava um barato. Cheirava-se o éter perfumado para combater a inibição. Hoje, sem vacinas, Bolsonaro inaugura o segundo ano de pandemia trocando a cloroquina pelo spray israelense. O lança-perfume animava. O spray Covid desespera.

É como se o presidente adotasse o modelo Zé Keti de administração da pandemia. Se a Anvisa entra na dança e libera o spray israelense, "este ano não vai ser igual àquele que passou". Resta saber até quando haverá "mil palhaços no salão."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL