PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Esse conteúdo é antigo

Pazuello alega problemas de saúde e pede para deixar ministério

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediu para deixar o ministério - Tarla Wolski/Futura Press/Estadão Conteúdo
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediu para deixar o ministério Imagem: Tarla Wolski/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

14/03/2021 14h03Atualizada em 14/03/2021 18h07

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, comunicou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que está com problemas de saúde e pediu para deixar o ministério. A informação foi publicada pelo jornal O Globo e confirmada pelo UOL.

Bolsonaro reuniu-se na tarde de hoje com a cardiologista Ludhmila Hajjar, do Incor e da rede Vila Nova Star. A profissional é uma das cotadas para assumir o Ministério da Saúde na vaga Pazuello.

Inicialmente, o encontro ocorreu fora da agenda. Mais cedo, a assessoria do Planalto disse que não havia previsão de reunião ainda hoje. Depois, o encontro foi confirmado pelo governo.

O UOL apurou que o presidente Bolsonaro não está tão disposto a fazer qualquer troca, mas vem sendo pressionado por parlamentares do centrão e auxiliares.

Outro nome apontado pela publicação como cotado ao Ministério da Saúde foi Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

O UOL apurou que deputados federais também são considerados para assumir a pasta. Por exemplo, o ex-ministro da Saúde do governo Michel Temer e atual líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), o ex-secretário de Saúde do Rio, Luiz Antônio Teixeira Jr (PP-RJ), conhecido como 'Dr. Luizinho', e Dr. Hiran Gonçalves (PP-RR).

O primeiro é visto como uma eventual escolha mais política, enquanto os outros dois seriam vistos como soluções mais técnicas, embora ainda políticas.

Os três deputados são filiados ao PP, partido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), um dos principais líderes do centrão, base aliada do governo no Parlamento. Por isso, os nomes desses parlamentares são considerados como uma sinalização positiva ao Congresso Nacional e, especialmente, ao centrão.

Pazuello está pressionado no cargo por conta do pior momento da pandemia vivido pelo país, do retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao tabuleiro eleitoral e devido ao cronograma incerto de chegada de vacinas contra a covid-19. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a cúpula do Legislativo crê que o ministro faltou com a verdade em documento enviado ao Congresso sobre a previsão de vacinas e vê justificativa para a demissão de Pazuello.

No ofício enviado à Câmara e ao Senado, o ministro negou mudanças e bancou as 38 milhões de doses previstas para março mesmo depois de reduzir o cronograma de vacinação em cinco oportunidades.

Mais um recorde na média diária de mortes por covid

Ontem, o Brasil chegou a 15 dias seguidos com recordes da média diária de mortes por covid-19. Foram 1.824 óbitos por dia, na última semana, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, baseado nos dados das secretarias estaduais de saúde. De acordo com os dados de ontem, foram notificadas 1.940 novas mortes em 24 horas, somando 277.216 desde o início da pandemia.

O país soma 11.439.250 casos confirmados de coronavírus, sendo 70.934 dos diagnósticos registrados entre anteontem e ontem. Isso não indica quando as mortes e casos de fato ocorreram, mas, sim, a data em que passaram a constar dos balanços oficiais.

Siga o UOL no

Saúde