PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Com covid em alta, Porto Alegre tem fila de espera para registro de óbitos

Guarda Municipal foi chamada após tumulto em fila no 2º Cartório de Registro Civil - Luis Magnário/Arquivo Pessoal
Guarda Municipal foi chamada após tumulto em fila no 2º Cartório de Registro Civil Imagem: Luis Magnário/Arquivo Pessoal

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Chapecó (SC)

14/03/2021 14h11

Filas se formaram entre a noite de ontem e a madrugada de hoje de pessoas que procuraram atendimento para registro de óbitos em Porto Alegre. A situação aconteceu em dois pontos da cidade —na CAF (Central de Atendimento Funerário) e no 2º Cartório de Registro Civil— e tem relação com o aumento no número de óbitos por covid-19 na capital gaúcha.

Houve aglomeração de pessoas nos dois lugares. Segundo o fotógrafo Luis Magnário, havia cerca de 80 pessoas aguardando atendimento na CAF e pelo menos 50 no 2º cartório. Houve tumulto e a Guarda Municipal foi chamada para auxiliar a organizar a fila de atendimento.

"Meu amigo que estava na fila da CAF recebeu uma ligação que era para todo mundo, que pudesse, o mais rápido possível ir para o 2º Cartório. E foi questão de segundos e a fila começou a se dissolver. Gente entrando dentro do carro e saindo. Ali na fila os agentes [da Guarda Municipal] espalharam a notícia. E aí quando chegou no cartório começou o tumulto de gente se acumular e de briga, um querendo passar na frente do outro, por que queriam prioridades. Aí começou um princípio de tumulto e o cartório que acionou a Guarda Municipal", conta o fotógrafo.

Central de Atendimento Funerário também teve fila e aglomeração - Luis Magnário/Arquivo Pessoal - Luis Magnário/Arquivo Pessoal
Central de Atendimento Funerário também teve fila e aglomeração
Imagem: Luis Magnário/Arquivo Pessoal

Magnário ficou impressionado com a situação. "Foi muito impactante ver aquela fila. Foi uma cena muito forte."

O registro de óbitos é necessário, por exemplo, para autorizar o sepultamento ou translado dos corpos. E, por isso, não apenas familiares de vítimas da covid-19 estavam nas filas de espera. Entretanto, Porto Alegre registra um aumento no número de casos e óbitos de coronavírus.

Conforme o governo estadual, foram registrados 103.949 casos confirmados da doença em Porto Alegre - só ontem foram 982 novos registros.

Além disso, 2.747 pessoas morreram pela doença desde o início da pandemia na cidade - dez só ontem. A cidade registra superlotação nos hospitais. Nos leitos do SUS (Sistema Único de Saúde) a ocupação é de 101% enquanto em leitos privados é de 140%.

Desde 19 de fevereiro, a capital gaúcha está na bandeira preta, considerada a fase mais restritiva de combate ao coronavírus. Segundo o governo do Estado, a bandeira preta indica altíssimo risco para esgotamento da capacidade hospitalar e velocidade de disseminação do vírus.

Ontem, o Rio Grande do Sul registrou o maior balanço diário de mortes causadas pela covid-19, com 331 óbitos confirmados nas últimas 24 horas, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde. O recorde anterior era de 276 mortes, alcançado na última quinta-feira (11).

O número de hoje é quase o dobro do registrado há dez dias, em 3 de março, quando o governo gaúcho divulgou 180 novas mortes.

Saúde