PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
3 meses

Fiocruz anuncia 1ª entrega de doses produzidas no Brasil para quarta-feira

Frasco com dose da vacina da AstraZeneca/Oxford, que está sendo produzida no Brasil pela Fiocruz - Divulgação/Julyane Galvão/Secretária Estadual de Saúde do maranhão
Frasco com dose da vacina da AstraZeneca/Oxford, que está sendo produzida no Brasil pela Fiocruz Imagem: Divulgação/Julyane Galvão/Secretária Estadual de Saúde do maranhão

Do UOL, em São Paulo

15/03/2021 16h46

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) anunciou hoje que vai entregar as primeiras doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Oxford produzidas no Brasil nesta quarta-feira (17). O cronograma da instituição federal prevê que 1,08 milhão de doses sejam entregues ao Ministério da Saúde até sexta (19).

O primeiro lote a ser disponibilizado ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) será de 500 mil doses. Dois dias depois, a Fiocruz entregará mais 580 mil doses à pasta chefiada pelo ministro Eduardo Pazuello.

Os imunizantes estão sendo produzidos no complexo de Bio-Manguinhos (Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos) com matéria-prima vinda da China. A Fiocruz afirma que entregará 3,8 milhões de doses produzidas no Brasil até o final de março, com expectativa de atingir nas próximas semanas uma produção de cerca de um milhão de doses por dia.

O aumento na produção foi garantido pela oferta maior do IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) chinês, que teve sua expectativa de importação dobrada na semana passada — a instituição tem matéria-prima suficiente agora para produzir 30 milhões de doses até o final de maio. Além disso, a Fiocruz colocou em operação uma nova linha de produção da vacina na última sexta-feira (12).

Também na sexta, o imunizante desenvolvido pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford teve o seu registro definitivo concedido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Foi o primeiro aval do tipo para uma vacina contra a covid-19 produzida no país, e permite que ela seja aplicada para a população em geral, além dos grupos prioritários que são vacinados atualmente.

Assim como a vacina de Oxford, o imunizante da Pfizer/BioNTech também tem uma autorização de uso definitivo, mas será importado e ainda não tem doses à disposição no Brasil. Já a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan e que fornece e grande maioria das doses para a campanha de vacinação nacional, tem um registro de uso emergencial aprovado em 17 de janeiro.

Além das doses produzidas no Brasil, a Fiocruz também já liberou 4 milhões de doses para a Saúde que foram importadas já prontas, vindas da Índia, sendo apenas rotuladas no Brasil.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado na primeira versão, a Fiocruz entregará 1,08 milhão de doses, e não 1,8 milhão de doses. A informação foi corrigida.

Coronavírus