PUBLICIDADE
Topo

Saúde

DF, BA e RS, alvos de Bolsonaro no STF, estão no pior momento da pandemia

18.03.2021 - Jair Bolsonaro (sem partido) durante live em suas redes sociais - Reprodução
18.03.2021 - Jair Bolsonaro (sem partido) durante live em suas redes sociais Imagem: Reprodução

Leonardo Martins

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/03/2021 11h52

Distrito Federal, Bahia e Rio Grande do Sul, estados que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) para suspender medidas restritivas adotadas por seus respectivos governadores, estão no pior momento da pandemia desde o ano passado.

Os três estados assistem às novas contaminações e mortes crescerem dia a dia e correm atrás de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tentar evitar um colapso total do sistema de saúde. Os governadores decretaram medidas mais restritivas, em que apenas o comércio considerado essencial pode permanecer aberto. Mas Bolsonaro anunciou ontem, durante sua live semanal, que entrou com uma ação no STF para "conter esses abusos" e definir que as restrições só podem ser válidas com aval do Congresso Nacional.

Dois dos estados que o presidente criticou as medidas sanitárias batem recordes de mortes diariamente. Ontem, o número de mortes em 24 horas por covid-19 (68 pessoas) no Distrito Federal foi o maior da pandemia.

Segundo dados do governo estadual, a média móvel de mortes está em 32,4, maior cálculo do ano e o segundo maior da pandemia. Ao todo, o DF contabiliza 324.576 pessoas infectadas e 5.274 mortes. Cálculos do consórcio de veículos de imprensa — que o UOL integra — apontam para uma alta na média móvel do estado.

Recorde semelhante foi batido pelo Rio Grande do Sul, que contabilizou ontem, ao todo, 16 mil pessoas mortas pela covid-19, com um aumento de mil mortes em três dias. A média móvel do estado também segue em alta, com 251 óbitos por dia.

O RS também bateu 110% de ocupação de leitos de UTI, com 3,5 mil pacientes hospitalizados.

Apesar de estar com a média móvel de mortes estável, segundo dados do consórcio, na Bahia as mortes e a ocupação de UTIs têm crescido em intensidade semelhante a dos outros estados.

Ontem, 137 pessoas morreram de covid-19 e a taxa de ocupação de UTI chegou em 87%. Bahia e RS estão entre os nove estados que registraram mais de cem mortes por dia.

O que acontece nos estados é um reflexo do cenário da pandemia no Brasil, que nunca esteve pior. Ontem, o Brasil registrou a mais alta média de mortes por covid-19 em toda a pandemia pelo 20º dia consecutivo. Nos últimos sete dias, a média foi de 2.096 óbitos diários causados pela doença.

Saúde