PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Esse conteúdo é antigo

Saúde muda orientação e agora libera uso de 100% das doses da CoronaVac

Orientação vale para as doses das vacinas distribuídas esta semana. - Divulgação/Governo de São Paulo
Orientação vale para as doses das vacinas distribuídas esta semana. Imagem: Divulgação/Governo de São Paulo

Do UOL, em São Paulo

20/03/2021 17h46

O Ministério da Saúde alterou a orientação para uso das doses da vacina contra covid-19 CoronaVac. Com a alteração, o governo federal passa a permitir que as secretarias de Saúde utilizem 100% das doses distribuídas nos dias 16, 17 e 20 de março como primeira dose, sem a necessidade de se reservar uma parcela do imunizante para aplicação de segundas doses.

A nova diretriz foi comunicada no sétimo informe técnico feito pelo ministério. A pasta afirmou que novos informes como este serão distribuídos semanalmente.

A medida adotada agora atende ao pedido da Frente Nacional de Prefeitos. A possibilidade de não reservar doses para a segunda aplicação já havia sido aventada anteriormente por governos locais, mas a incerteza em relação à disponibilidade do imunizante para aplicação das segundas doses dentro do prazo adequado impediu que esta política fosse utilizada.

Segundo o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT), representante da Frente, os mandatários municipais haviam pedido permissão para usar 90% das doses como primeira dose há cerca de um mês, mas na ocasião não foram autorizados.

Em entrevista à GloboNews, Edvaldo Nogueira afirmou que essa nova orientação é "uma notícia muito positiva". Para ele, agora há maior regularidade na produção e distribuição das vacinas, o que vai permitir com que essa nova diretriz seja seguida sem acarretar em maiores problemas.

Chrystina Barros, pesquisadora da UFRJ e integrante do grupo de enfrentamento a covid-19, também falou à GloboNews na tarde de hoje e considerou a decisão acertada. "É uma decisão acertada, mas é fundamental que haja um trabalho para se garantir que a segunda dose chegue a tempo", afirmou. "Se não a gente corre o risco de não ter adiantado esse esforço e até de comprometer de alguma forma a cobertura, a eficiência, a efetividade da vacina", completou.

Saúde