PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
15 dias

Covid: governadores fazem apelo para que população tome 2ª dose de vacina

09.jul.2020 - O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo); só no estado, estima-se que 89 mil pessoas não tomaram a 2ª dose da vacina contra covid - Divulgação/Governo de Minas Gerais
09.jul.2020 - O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo); só no estado, estima-se que 89 mil pessoas não tomaram a 2ª dose da vacina contra covid Imagem: Divulgação/Governo de Minas Gerais

Do UOL, em São Paulo

15/04/2021 12h07Atualizada em 15/04/2021 12h46

Os governadores de Goiás, Minas Gerais e Piauí vieram a público pedir que a população que já tomou a primeira dose da vacina contra covid-19 retorne aos postos para tomar a segunda dose, essencial para que a imunização tenha eficácia.

Ontem, o Ministério da Saúde alertou que 1,5 milhão de pessoas deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra covid-19 dentro do prazo previsto, colocando em risco a eficácia completa da imunização.

"Minha gente, + de 44 mil goianos em nosso Estado não voltaram aos postos para tomar a 2° dose da vacina. Esse reforço é fundamental para que o organismo fique realmente protegido. Eu peço, não se omitam! Nos ajudem a combater esse vírus", postou o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (PSD), em seu perfil do Twitter

Romeu Zema (Novo), governador de Minas Gerais, também reforçou o pedido aos mineiros. Levantamento da Secretaria Estadual de Saúde apontou que pelo menos 89 mil pessoas não retornaram para tomar a segunda dose no estado.

"Estudos mostram que a eficácia da vacina só é efetiva após o recebimento das duas doses. Portanto, se você já foi vacinado com a 1ª dose, fique atento ao prazo para retomar e finalizar a sua imunização", escreveu Zema.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), reforçou o comunicado da Secretaria Estadual de Saúde relembrando a população de tomar a segunda dose e, mesmo vacinada, seguir com as medidas de higiene.

Apenas dois imunizantes receberam autorização da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) para o uso emergencial: a CoronaVac e a AstraZeneca. A segunda injeção da AstraZeneca pode ser administrada entre 4 e 12 semanas após a primeira aplicação. Já para a Coronavac, o esquema de imunização é de 2 doses com intervalo de 2 a 4 semanas entre elas.

O número do Ministério da Saúde foi questionado pelo Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde). Segundo conselho, o número é menor que 1,5 milhão de pessoas, erro que teria ocorrido devido a atrasos na inserção de dados na base do ministério.

Saúde