PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Pontes: Corte de verbas ameaça construção do Centro Nacional de Vacinas

Corte de verbas na pasta da Ciência, Tecnologia e Inovação é alvo de críticas públicas do ministro Marcos Pontes - Francisco Stuckert/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Corte de verbas na pasta da Ciência, Tecnologia e Inovação é alvo de críticas públicas do ministro Marcos Pontes Imagem: Francisco Stuckert/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

13/10/2021 12h02Atualizada em 13/10/2021 14h40

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, confirmou hoje a deputados que o Centro Nacional de Vacinas da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) está ameaçado de não sair do papel após um corte nas verbas da pasta.

"Os R$ 50 milhões do Centro Nacional de Vacinas estavam previstos", disse o ministro em participação na Comissão de Educação da Câmara.

Na última quinta-feira (7), a pedido do Ministério da Economia, o Congresso aprovou um corte de R$ 600 milhões nos recursos previstos para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, destinando a verba para outras pastas do governo federal.

O corte foi alvo de críticas públicas de Marcos Pontes, que chamou o pedido do Ministério da Economia aprovado pelo Congresso de "falta de consideração" e pediu uma correção "urgentemente".

Na sessão da Comissão de Educação, Pontes disse que não só ele foi "pego de surpresa" pelo corte como também o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) — que, segundo o ministro, prometeu que "vai ajudar" a reaver os recursos cortados e distribuídos.

"Recurso para a ciência não é gasto, é investimento", defendeu Pontes, que disse não querer "discutir o mérito da utilização dos recursos nos outros ministérios".

Centro Nacional de Vacinas

O parque tecnológico para produção e pesquisa na área de vacinas foi anunciado no início de setembro em cerimônia em Brasília que contou com a presença do próprio Marcos Pontes e do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

Na época, foi anunciado que, para que fosse erguido, R$ 80 milhões seriam investidos no Centro Nacional de Vacinas: R$ 50 milhões por parte do governo federal, e R$ 30 milhões por parte do governo mineiro.

Na ocasião do anúncio, as partes envolvidas na construção do parque tecnológico defenderam que o Centro Nacional de Vacinas permitiria ao Brasil diminuir a dependência de produtos e tecnologia do exterior para a produção de imunizantes, inclusive os contra a covid-19.

O Centro Nacional de Vacinas seria uma remodelação e ampliação do atual CTVacinas (Centro de Tecnologia em Vacinas) e atuaria tanto na produção de imunizantes para humanos como para uso veterinário (animais).

Atualmente, o CTVacinas está atuando no desenvolvimento da vacina contra o novo coronavírus. O pedido para autorização de estudo do imunizante foi feito à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no fim de julho, mas segue sem parecer.

Saúde