PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Secretário britânico: é provável que vacina evite caso grave pela ômicron

"Nossa melhor forma de defesa ainda continua sendo nossas vacinas", diz o secretário - iStock
'Nossa melhor forma de defesa ainda continua sendo nossas vacinas', diz o secretário Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo*

01/12/2021 09h11Atualizada em 01/12/2021 10h33

O secretário de Saúde do Reino Unido, Sajid Javid, disse hoje que é possível que as vacinas sejam menos eficazes contra a variante ômicron do coronavírus, mas que elas ainda devem proteger infectados pela nova cepa de doenças graves.

"Nossa melhor forma de defesa ainda continua sendo nossas vacinas", disse Javid à Sky News.

"É possível, claro, é possível que seja menos eficaz. Só ainda não sabemos ao certo. Mas também é muito provável que permaneça eficaz contra doenças graves", afirmou.

Emer Cooke, diretora-executiva da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), disse que ao longo das próximas duas semanas análises de laboratório indicarão se o sangue de pessoas vacinadas tem anticorpos suficientes para neutralizar a nova variante.

A União Europeia adiantou o início de sua vacinação de crianças de 5 a 11 anos em uma semana, reagendando-a para o dia 13 de dezembro.

O presidente-executivo da BioNTech disse que a vacina que a empresa faz em parceria com a Pfizer provavelmente proporcionará uma proteção forte contra doenças graves decorrentes da ômicron.

Tanto o Reino Unido quanto os EUA ampliaram seus programas de doses de reforço em reação à nova variante.

Relatada primeiramente no sul da África uma semana atrás, a ômicron ressalta a disparidade entre grandes iniciativas de vacinação em países ricos e a inoculação esparsa no mundo em desenvolvimento.

* Com informações da Reuters

Saúde