PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Argentina registra primeiro caso suspeito de varíola do macaco

Paciente com varíola dos macacos, no Congo, em foto de arquivo tirada durate uma explosão de casos da doença entre 1996 e 1997   - Brian W.J. Mahy/ via Reuters
Paciente com varíola dos macacos, no Congo, em foto de arquivo tirada durate uma explosão de casos da doença entre 1996 e 1997 Imagem: Brian W.J. Mahy/ via Reuters

Do UOL, em São Paulo

23/05/2022 00h00

A Argentina registrou no domingo (22) à noite o primeiro caso suspeito da varíola do macaco, doença comumente encontrada na África, mas que tem se espalhado pela Europa e América do Norte. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde argentino.

O possível enfermo é um morador de Buenos Aires, que se consultou em uma clínica no fim de semana com o sintoma mais característico da doença: pústulas pelo corpo. O homem também apresentou febre.

Ele foi isolado e está recebendo tratamento para os sintomas, enquanto amostras colhidas estão sendo analisadas por especialistas e pesquisadores.

O residente de Buenos Aires tem histórico de viagem recente para Espanha, país com casos dessa varíola confirmados, e retornou no dia 16 de maio para a Argentina.

Médicos e estudiosos de Buenos Aires criaram um grupo de trabalho para coordenar ações clínicas e epidemiológicas para poder validar ou descartar o caso. Além disso, eles irão propor medidas para controlar possíveis transmissões.

Casos pelo mundo

Até sábado (21), a ONU (Organização das Nações Unidas) tinha registro de 92 pacientes confirmados com esse tipo de varíola e 28 casos suspeitos em países que são considerados não endêmicos para a doença.

A varíola dos macacos é uma doença infecciosa que geralmente é leve e é endêmica em partes da África ocidental e central. É espalhada por contato próximo, e pode ser contida com relativa facilidade por meio de medidas como isolamento e higiene.

"O que parece estar acontecendo agora é que ela entrou na população como uma forma sexual, como uma forma genital, e está se espalhando assim como as infecções sexualmente transmissíveis, o que amplificou sua transmissão em todo o mundo", disse David Heymann, funcionário da OMS (Organização Mundial da Saúde) e um especialista em doenças infecciosas, à agência Reuters.

Heymann disse que um comitê internacional de especialistas se reuniu por videoconferência para analisar o que precisava ser estudado sobre o surto e comunicado ao público, incluindo se há disseminação assintomática, quem está em maior risco e as várias vias de transmissão.

O comitê, no entanto, não é o grupo que sugeriria declarar uma emergência de saúde pública de interesse internacional, a maior forma de alerta da OMS, que se aplicou à pandemia de covid-19.

*Com informações da Agência Brasil

Saúde