PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
4 meses

Bolsonaro fala em "remédio que mata piolho" após decisão judicial

18.mar.21 - Presidente Bolsonaro (sem partido) em live semanal - Reprodução
18.mar.21 - Presidente Bolsonaro (sem partido) em live semanal Imagem: Reprodução

Ricardo Brito

DA Reuters, em Brasília

18/03/2021 21h39

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu não citar nesta quinta-feira, em sua transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais, os nomes de remédios sem comprovação científica contra covid-19 que ele defende que sejam usados para enfrentar a doença, como a cloroquina e a ivermectina, e fez apenas uma defesa indireta do chamado tratamento precoce.

Na transmissão, Bolsonaro preferiu falar em "tratamento inicial", afirmando que se usasse "a outra palavra" seria crime.

Na véspera, a Justiça Federal determinou que o governo federal se abstenha de veicular peças publicitárias sobre o enfrentamento à covid-19 que sugeriam à população comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas e científicas, em julgamento de ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF).

Mesmo sem citar os medicamentos nominalmente, o presidente defendeu que sejam usados contra a covid, como tem feito desde o início da pandemia, e chegou a ironizar aqueles que são contra esse tipo de tratamento.

"Você que não quer o tratamento inicial, remédio que mata piolho, fica na tua, deixa quem quer tomar", disse Bolsonaro, em aparente referência à ivermectina, medicamento para tratar infestações por parasitas que é recomendado por Bolsonaro contra a covid-19, apesar da falta de comprovação científica de eficácia.

Coronavírus