Topo

Tecnologia

Redes sociais


Por que o Facebook finalmente está banindo extremistas de direita?

Ilana Panich-Linsman/The New York Times
Alex Jones se prepara para apresentar seu programa em seu estúdio Imagem: Ilana Panich-Linsman/The New York Times

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

2019-05-03T15:16:18

03/05/2019 15h16

Há tempos os conservadores norte-americanos acusam as grandes redes sociais de censurarem alguns porta-vozes de extrema-direita. Nomes como o senador republicano dos EUA Ted Cruz, Nigel Farage, um dos homens por trás do Brexit, e presidente dos EUA, Donald Trump, já falaram coisas do tipo. Mas o Facebook sempre sustentou que não interferiria na liberdade de expressão de seus usuários --nem seria o editor do que publicavam. Agia, portanto, quando algum conteúdo infringisse os padrões de comunidade, como a regra que proíbe discurso de ódio e discriminação.

Enquanto outras empresas, como Apple e YouTube, desde 2018 atuam com mais rigor para combater conteúdos de ódio propagado por extremistas de direita, a rede de Mark Zuckerberg fugia do assunto sempre que possível (e foi duramente criticada por isso). Até que a pressão aumentou.

O limite foram os tiroteios em Pittsburgh (EUA), Christchurch (Nova Zelândia) e Poway (EUA). Nos dois últimos casos, os supostos atiradores anunciaram suas atenções no fórum 8chan e usaram o Facebook Live para transmitir ao vivo seus ataques. O Facebook e o Google foram cobrados por não terem derrubado esses conteúdos com a devida rapidez.

E assim chegamos a esta quinta-feira (2), quando o Facebook (e o Instagram) baniu as páginas e perfis de:

  • Alex Jones: radialista americano é hoje o teórico da conspiração mais popular dos EUA. Ficou conhecido por questionar a veracidade dos ataques de 11 de setembro, o massacre da escola Sandy Hook e outros eventos traumáticos
  • Louis Farrakhan, líder do grupo Nação do Islã, acusado de antissemitismo
  • Milo Yiannopoulos, comentarista político britânico e ex-editor do site de extrema direita americano Breitbart News
  • Paul Nehlen, que concorreu como "candidato cristão branco" na eleição de 2018 para o Congresso dos EUA
  • Paul Joseph Watson, também radialista britânico e teórico da conspiração
  • Laura Loomer, ativista política que trabalhou como repórter da página canadense de extrema direita Rebel Media

A conhecida página Infowars, administrada por Jones, também caiu.

A empresa alegou que as contas violavam as "políticas contra perigosos indivíduos e organizações". As regras não permitem "atividade terrorista; ódio organizado; assassinos em série ou em massa; tráfico humano; violência organizada ou atividade criminosa. Também removemos conteúdo que expresse apoio ou exalte grupos, líderes ou indivíduos envolvidos nessas atividades".

É possível notar um esforço maior das redes sociais para remover conteúdos extremistas das plataformas. No mês passado, o Facebook já havia banido vários grupos britânicos, incluindo a Liga de Defesa Inglesa e o Partido Nacional Britânico, e proibido qualquer conteúdo nacionalista branco.

O Facebook não divulgou todos os incidentes que levaram à remoção das contas, mas apontou algumas das ações e disse que levou em conta o comportamento do grupo tanto on quanto offline. Citou que o grupo convocou ou realizou atos de violência enraizados em preconceitos raciais ou étnicos e descreveu-se como o seguidor de uma ideologia odiosa. Além disso, usou discurso de ódio ou insultos em seus perfis.

  • Em dezembro e novamente em fevereiro, Jones apareceu em vídeos com o fundador da organização Proud Boys, Gavin McInnes. O Facebook designou McInnes como uma figura de ódio
  • Yiannopoulos elogiou publicamente McInnes e o ativista de extrema direita britânico Tommy Robinson, que o Facebook designou como uma figura de ódio
  • Loomer apareceu com McInnes em dezembro e, mais recentemente, declarou seu apoio à ativista de extrema-direita Faith Goldy, que foi banida depois de postar vídeos racistas em sua conta

Em outubro do ano passado, Jones levou chamadas de Apple, YouTube e do próprio Facebook por conteúdos que incitam o ódio e o assédio. Na época, o Spotify baniu seus podcasts.

O Twitter era a exceção. Seu executivo-chefe, Jack Dorsey, dizia que não havia motivos para suspender Jones: "Ele não violou nossas regras. Vamos aplicar as regras se ele as infringir. (...) Vamos tratar Jones com o mesmo padrão que tratamos todas as contas, não realizando ações pontuais para nos fazer sentir bem a curto prazo e adicionando combustível a novas teorias da conspiração". Mas, um mês depois, isso mudou, e as contas @realalexjones e @infowars foram banidas permanentemente do Twitter e do Periscope, por violação de regra e comportamentos abusivos.

Agora é a vez do Facebook mudar de postura.

Nós sempre proibimos indivíduos ou organizações que promovem ou praticam violência e ódio, independentemente da ideologia. O processo de avaliação de potenciais infratores é extenso e é o que nos levou a nossa decisão de remover essas contas hoje
Facebook, em comunicado à imprensa

A proibição não vale para conteúdo postado por outros usuários --o que na prática invalidaria a acusação de censura ao Facebook. Por exemplo, vídeos de Farrakhan continuavam disponíveis no Instagram, em contas de outros usuários, após o fechamento das páginas dele.

Jones se defendeu como costuma fazer: atirando para todos os lados. Durante uma transmissão ao vivo de seu programa radiofônico no site Infowars, disse: "Eles não apenas me baniram. Eles nos difamaram. Por que [o presidente-executivo do Facebook] Mark Zuckerberg fez isso?", indagou Jones, que se disse vítima de "extorsão" e de "cartéis".

* Com agência AFP