Obama confirma morte de líder do Taleban em ataque de drones dos EUA

Em Islamabad (Paquistão)

  • RONNY HARTMANN/AFP

    Barack Obama, presidente dos EUA

    Barack Obama, presidente dos EUA

O presidente norte-americano, Barack Obama, confirmou nesta segunda-feira (23) a morte do mulá Mansur, em um bombardeio de drones dos EUA, e afirmou que o óbito do líder do Taleban poderia facilitar as negociações de paz no Afeganistão.

"Eliminamos o líder de uma organização que continua conspirando e atentando contra norte-americanos e contra as forças da coalizão, fazendo a guerra contra o povo afegão e alinhada com grupos extremistas como Al Qaeda", afirma Obama em um comunicado, em referência ao bombardeio executado no sábado por drones norte-americanos no território do Paquistão.

Fontes do Taleban confirmaram no domingo a morte do mulá Akhtar Mansur e indicaram que os insurgentes islamitas já haviam iniciado uma "shura" (conselho) para escolher o sucessor.

A reunião, iniciada no domingo à noite, prosseguia nesta segunda em um local secreto devido às ameaças que pesam sobre seus membros. Não há informações sobre quando a decisão será tomada.

O mulá liderava a insurreição islâmica desde julho de 2015, após o anúncio da morte de seu predecessor, o misterioso mulá Omar.

Considerado inicialmente como favorável às negociações de paz com o governo afegão, o mulá Mansur, uma vez convertido em líder do Taleban, recusou-se a sentar à mesa de negociações.

Obama disse nesta segunda-feira que Mansur era contrário a um "compromisso sério de negociações de paz" e a acabar com a violência que já matou afegãos inocentes, homens, mulheres e crianças.

O presidente norte-americano, que iniciou uma visita de três dias ao Vietnã, pediu aos talebans que "aproveitem a oportunidade para iniciar o processo de reconciliação com o governo afegão como único caminho real para acabar com o conflito".

Sua morte é "um passo importante em nossos esforços (...) para trazer a paz e a prosperidade para o Afeganistão", acrescentou Obama.

Desde janeiro, Afeganistão, China, Estados Unidos e Paquistão realizaram várias reuniões para incentivar, em vão, o Taleban a sentar-se à mesa das negociações.

Na quarta-feira passada, o Paquistão organizou uma nova rodada de negociações internacionais, que terminou sem nenhum progresso visível.

Consequências incertas

O ataque com drones no sábado que matou o chefe taleban parece a incursão norte-americana mais importante no espaço aéreo paquistanês desde o realizado contra o líder histórico da Al Qaeda, Osama Bin Laden, em 2011.

Os analistas parecem divididos sobre o seu impacto nas negociações de paz no Afeganistão. Alguns consideram que uma facção mais favorável às negociações poderia emergir da "shura".

Outros, como o especialista paquistanês em assuntos de segurança Imtiaz Gul, acreditam que o bombardeio é "um golpe" contra o processo de paz.

Além disso, as relações entre os Estados Unidos e o Paquistão estão em um momento muito delicado após o ataque sem precedentes na província de Baluchistão.

O Paquistão denunciou no domingo o ataque norte-americano como uma "violação" da sua soberania. "Isso não deveria ter ocorrido", reagiu o primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif.

Obama, ignorando essas críticas, disse nesta segunda-feira que as forças norte-americanas vão continuar intervindo em território paquistanês. "Vamos trabalhar em objetivos comuns com o Paquistão, onde devemos impedir que os terroristas que ameaçam nossos países encontrem refúgio", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos