Abbas nega antissemitismo após acusações de caluniar judeus

Ramallah, Territórios palestinos, 25 Jun 2016 (AFP) - O presidente palestino, Mahmud Abbas, negou neste sábado ser antissemita depois de ter sido acusado de caluniar os judeus diante do parlamento europeu.

"A Palestina é o berço de três religiões monoteístas e repudiamos os ataques contra todas as religiões", afirmou Abbas em um comunicado, acrescentando que "condena todas as acusações de antissemitismo" contra ele e "contra o povo palestino".

Na quinta-feira, Abbas fez declarações em árabe - aparentemente improvisadas - diante do parlamento europeu e difundidas pela televisão da União Europeia, nas quais afirmou que recentemente "um certo número de rabinos em Israel fizeram comentários pedindo claramente ao governo [israelense] que envenenasse a água para matar os palestinos".

Horas depois, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou Abas de "difundir difamações no parlamento europeu".

Abbas explicou neste sábado que "as supostas declarações de um rabino, publicadas por vários meios, resultaram infundadas", e afirmou que não havia "intenção de arremeter contra o judaísmo ou de ferir o povo judeu".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos