Combates prosseguem na capital do Sudão do Sul

Juba, 10 Jul 2016 (AFP) - Os soldados do governo e os ex-rebeldes voltaram a se enfrentar neste domingo nas proximidades de Juba, a capital do Sudão do Sul.

Os combates acontecem dois dias depois dos confrontos entre os soldados leais ao presidente Salva Kiir e os seguranças do vice-presidente e ex-líder rebelde, Riek Machar, que deixaram mais de 150 mortos.

A explosão de violência ocorreu na véspera do quinto aniversário da independência do país, celebrado no sábado.

Na manhã deste domingo, os combates se ampliaram a outras zonas da capital, incluindo a área de Gudele, conhecida por ser um barril de pólvora, e o bairro de Tongping, próximo ao aeroporto internacional de Juba.

A ONU informou que foram registrados disparos de morteiro, granadas e outras armas pesadas. Um helicóptero de combate sobrevoou a capital.

"De novo disparos, tiroteios com armas pesadas na área da Casa da ONU, em curso desde aproximadamente 8H25 (2H25 de Brasília)", indicou a missão da ONU no país (Unmiss) no Twitter.

Alguns moradores da cidade permaneceram em suas casas para evitar os ataques, enquanto outros fugiram, segundo testemunhas.

A ONU administra um campo para deslocados pelo conflito, muito perto do local onde estão mobilizados tanto os ex-rebeldes como os soldados do governo.

No local vivem 28.000 deslocados, que neste domingo foram levados para outra área da ONU, próxima do aeroporto.

A companhia aérea Kenya Airways anunciou a suspensão de todos os voos para Juba por considerar a situação de segurança "incerta".

No sábado, a embaixada britânica recomendou a seus cidadãos que abandonem o país, caso tenham a possibilidade, e que não saiam às ruas.

Um porta-voz do atual vice-presidente do país, Riek Machar, ex-líder rebelde, negou a responsabilidade de seu grupo pelos combates.

"Nossas forças foram atacadas na base de Jebel", disse James Gatdet Dak, antes de afirmar que a ação foi controlada.

"Esperamos que não aconteça uma escalada", declarou.

O Estado mais jovem do mundo sofre desde dezembro de 2013 com um conflito interno, resultado dos confrontos entre os partidários de Kiir e os simpatizantes de Machar.

Desde julho de 2011, o país viveu mais anos de guerra do que de paz. Três milhões de pessoas foram obrigadas a fugir de suas casas e cinco milhões dependem de ajuda humanitária de emergência.

Os combates de sexta-feira foram os primeiros desde a assinatura do acordo de paz em 2015.

Recentemente, a empresa de consultoria International Crisis Group pediu aos Estados que atuaram na mediação do acordo de paz que atuem com urgência para "impedir que o país volte e entrar em um conflito em grande escala".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, expressou inquietação durante a semana com uma situação que "ilustra que ainda há uma falta de compromisso real das partes com o processo de paz, o que representa uma nova traição ao povo do Sudão do Sul, vítima de terríveis atrocidades desde dezembro de 2013".

bur-tmc-jlb-lp/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos