Paraguai não comparecerá à reunião de Mercosul por posição contra a Venezuela

Asunción, 26 Jul 2016 (AFP) - O Paraguai não irá à reunião do Conselho do Mercado Comum do Mercosul no próximo sábado, 30 de julho, em Montevidéu, por discordar com a entrega da presidência pro tempore à Venezuela, anunciou o chanceler Eladio Loizaga nesta terça-feira.

O alto funcionário garantiu que Brasil e Argentina também vão anunciar sua ausência na reunião de sábado.

"Queremos que a Venezuela encontre a via mais conveniente para a solução de seus problemas internos", disse Loizaga a jornalistas ao anunciar a decisão, pouco depois de se reunir com o presidente Horacio Cartes no Palácio de Governo.

"Há uma resolução, a 28 do ano de 2005, onde se estabelecem as condições para os Estados em adesão ao protocolo de Assunção, e entre eles está a incorporação do acordo de complementação econômica 18, acordo com o qual se notifica o Mercosul, que a Venezuela ainda não incorporou", explicou.

O chanceler acrescentou que o país caribenho também não incorporou o protocolo de Assunção sobre os Direitos Humanos. "Há um DNA democrático que tem que ser preservado", disse.

A passagem da presidência pro tempore de seis meses, que segundo a norma interna corresponderia agora à Venezuela, se transformou em motivo de discussão e expôs divergências entre os governos que integram o Mercosul.

Loizaga argumenta que enquanto durar a crise política na Venezuela, a presidência do bloco deverá continuar nas mãos do Uruguai.

"É um momento difícil para o Mercosul, mas devemos tomar uma posição", afirmou Loizaga, que lembrou que no bloco "tudo tem que ser decidido por consenso".

O chanceler paraguaio criticou o Uruguai por ter anunciado sem consultar o restante dos membros a entrega da presidência rotativa ao presidente venezuelano Nicolás Maduro, "sem convocar uma cúpula de presidentes".

O Uruguai reafirmou sua vontade de passar a presidência à Venezuela, apesar da oposição de Brasil, Paraguai e Argentina, expressa em uma reunião no dia 11 de julho em Montevidéu.

O Brasil quer que a questão seja adiada até agosto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos