Cuba manterá médicos no Brasil enquanto receber 'garantias'

Havana, 28 Set 2016 (AFP) - Os 11.400 médicos cubanos que foram enviados ao Brasil seguirão no país enquanto receberem as "garantias oferecidas pelas autoridades atuais", disse o governo da ilha, um dos maiores críticos do impeachment de Dilma Rousseff.

Em uma nota publicada pela imprensa estatal nesta quarta-feira, o ministério da Saúde Pública afirmou que "continuará participando" do programa "Mais Médicos" enquanto continuarem existindo garantias, sem detalhar quais são.

Desde 2013, Cuba coopera com o plano projetado por Dilma, do Partido dos Trabalhadores (PT), para levar saúde às regiões mais pobres do Brasil.

No total enviou 11.400 médicos, o que representa, por sua vez, uma das principais fontes de divisas para a ilha socialista, que enfrenta dificuldades econômicas devido à crise da Venezuela, sua maior aliada.

A participação cubana foi colocada em xeque após o impeachment de Dilma, em 31 de agosto, em um controverso julgamento no Congresso por acusações de corrupção que a ex-presidente negou.

Cuba classificou sua saída de "golpe de Estado parlamentar e judicial", ao mesmo tempo em que se distanciou do governo de Michel Temer, que a substituiu.

Em seu comunicado, o ministério da Saúde disse que no fim de maio realizou consultas com a então presidente Dilma e com o ex-presidente Lula - também investigado por suposta corrupção - sobre a continuidade do programa, que também conta com a participação da Organização Pan-Americana da Saúde.

Sem mencionar o governo de Temer, acrescentou que seguirá participando do programa "enquanto se mantiverem as garantias oferecidas pelas autoridades atuais".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos