Ao lado de Obama, premiê japonês faz visita histórica a Pearl Harbor

Em Honolulu

  • Carolyn Kaster/AP

    O presidente dos EUA, Barack Obama, e o premiê do Japão, Shinzo Abe, deixam coroas de flores no USS Arizona Memorial, na base conjunta Pearl Harbor-Hickam, no Havaí

    O presidente dos EUA, Barack Obama, e o premiê do Japão, Shinzo Abe, deixam coroas de flores no USS Arizona Memorial, na base conjunta Pearl Harbor-Hickam, no Havaí

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, visitou nesta terça-feira (27) Pearl Harbor, no arquipélago havaiano, palco há 75 anos de um ataque que abalou a América, para demonstrar "a imensa força da reconciliação".

No momento em que o futuro ocupante da Casa Branca, Donald Trump, multiplica as declarações imprevisíveis e contraditórias sobre sua política diplomática, Abe e Barack Obama querem destacar a singularidade da aliança Washington-Tóquio.

A visita ao memorial "USS Arizona"  foi marcada para coincidir com os 75 anos após o ataque surpresa japonês a Pearl Harbor, a principal base naval americana no Pacífico, na manhã de 7 de dezembro de 1941.

Preparado durante meses em segredo, esse ataque da Aviação japonesa provocou mais de 2.400 mortes e colocou os Estados Unidos definitivamente na Segunda Guerra Mundial.

É a primeira vez que um dirigente japonês visita o memorial, construído no início de 1960 e que atrai mais de dois milhões de turistas por ano.

Acessível apenas de barco, esse prédio branco foi erguido sobre os destroços do "USS Arizona".

No extremo dessa estrutura aberta ao mar, há uma imensa parede sobre a qual estão gravados os nomes dos 1.177 americanos que perderam a vida a bordo do "USS Arizona".

Ao visitar Pearl Harbor, no meio do oceano Pacífico, sete meses após a visita de Obama a Hiroshima - dois eventos que marcaram o início e o fim do confronto entre os Estados Unidos e o Japão imperial -, os dois líderes querem prestar homenagem às vítimas e celebrar a firmeza da aliança entre dois antigos inimigos convertidos em aliados.

Antes de Abe, três chefes de governo do Japão visitaram Pearl Harbor nos anos 1950, incluindo seu avô Nobusuke Kishi. Nenhum deles participou de homenagens às vítimas no local.

Em Honolulu, em plena temporada turística, os locais de memória são muitos, mas o "dia da infâmia", do qual o então presidente Franklin D. Roosevelt falou resolutamente, pertence aos livros de história.

"O Havaí tem uma população multiétnica, com um forte componente japonês", lembra Stanley Chang, de 34 anos, que acaba de entrar no Senado pelo Estado do Havaí.

"Eu não acredito que haja qualquer sentimento de antipatia em relação aos japoneses, 75 anos após o ataque", disse ele à AFP, ressaltando que o povo do arquipélago é muito sensível ao "gesto" de Abe.

Barack Obama, que deixará o cargo em menos de um mês depois de dois mandatos de quatro anos, está atualmente de férias com a família não muito longe de Honolulu, onde nasceu e passou a maior parte de sua infância.

'Lembrem-se de Pearl Harbor'

Preparado no mais estrito sigilo, o ataque de Pearl Harbor foi lançado a partir de seis porta-aviões japoneses com suas 400 aeronaves posicionadas a 350 quilômetros do alvo. Seu objetivo era aniquilar a frota americana, para posteriormente conquistar o Sudeste asiático.

Na madrugada de domingo, 7 de dezembro de 1941, os aviões japoneses se dirigiram à pequena ilha de Oachu, no arquipélago do Havaí.

Uma primeira esquadrilha, que apareceu no céu às 7h55, seguida por uma segunda meia hora mais tarde, matou 2.403 americanos e deixou outros 1.000 feridos. No total, 21 navios de guerra foram afundados, ou danificados, além de 328 aviões de combate. Os japoneses perderam 64 homens, 29 aviões e 5 minissubmarinos.

Atingido por vários torpedos quando estava amarrado ao cais, o "USS Oklahoma" tomba de lado, aprisionando centenas de marinheiros.

Um dia após o ataque, o Congresso americano declarou oficialmente guerra ao Japão, seguido pela Grã-Bretanha. Três dias mais tarde, a Alemanha declara, por sua vez, guerra aos Estados Unidos.

Cartazes, emblemas, canções: "Lembrem-se de Pearl Harbor" se tornou o grito de guerra da mobilização nos Estados Unidos.

Três quartos de século depois, Abe espera que essa frase, "que foi usada para alimentar a animosidade para com o Japão", possa se tornar, graças à imagem desta visita, símbolo do "poder da reconciliação".

"Temos a responsabilidade de olhar a história nos olhos", havia declarado Barack Obama no Japão, tendo em mente "a dor da guerra", e convocando a construção de "um mundo sem armas nucleares".

Seu sucessor, o presidente eleito Donald Trump, surpreendeu há alguns dias, ao manifestar sua intenção de ampliar o arsenal nuclear, sem descartar "uma nova corrida armamentista". Essa posição vai no sentido contrário à adotada até então.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos