Supremacista branco acusado de terrorismo e racismo

Nova York, 28 Mar 2017 (AFP) - Um jovem supremacista branco que assassinou um homem negro em Nova York foi denunciado nesta segunda-feira por ato de terrorismo e crime de ódio, informou a promotoria.

James Jackson, um ex-militar de 28 anos de Baltimore (Maryland), foi denunciado por terrorismo e assassinato em segundo grado com crime de ódio, além de posse ilegal de armas.

Jackson se entregou à polícia um dia após assassinar - com vários golpes de espada - Timothy Caughman, um sem-teto negro de 66 anos, em plena Manhattan.

"James Jackson percorreu as ruas de Nova York durante três dias em busca de uma pessoa negra que pudesse assassinar a fim de lançar uma campanha de terrorismo contra nossa comunidade de Manhattan e os valores que celebramos", disse o promotor Cyrus Vance.

"James Jackson queria matar homens negros, planejou matar homens negros, e matou um homem negro. Escolheu o centro da cidade como cenário do crime porque Manhattan é a capital do mundo, um lugar onde diferentes raças convivem e se amam mutuamente".

Um dia após assassinar Caughman, Jackson - que havia servido no Afeganistão - se apresentou à delegacia de Times Square e revelou pertencer a um grupo supremacista branco, e que viajou de Baltimore para Nova York para atacar pessoas negras.

Para cometer o crime, Jackson disse que utilizou uma espada com uma lâmina de 46 cm.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos