Trump adverte sobre 'última oportunidade' de passar reforma da saúde

Washington, 25 Jul 2017 (AFP) - Os senadores americanos se pronunciarão nesta terça-feira sobre uma possível abertura dos debates sobre a reforma do sistema de saúde criado por Barack Obama, mas sua aposta pode fracassar.

Envolvendo-se pessoalmente com o tema, o presidente Donald Trump recebeu mais uma vez nesta segunda-feira na Casa Branca cerca de vinte "vítimas" do Obamacare. Trump enumerou as consequencias negativas do sistema e afirmou que o Obamacare "é a morte".

O presidente criticou abertamente cinco senadores republicanos que se opõem ao projeto por considerá-lo muito duro pelos cortes orçamentários que contém, afetando os mais pobres.

"Cada senador que vote contra (o projeto de lei do Executivo) diz aos Estados Unidos que o pesadelo (do Obamacare) é aceitável", tuitou nesta segunda.

"Os republicanos têm uma última oportunidade de fazer o certo e derrogar e substituir [o Obamacare], depois de anos falando e fazendo campanha sobre isso", acrescentou.

Mas a matemática do Senado é implacável. Dos 52 membros da maioria republicana, três declararam na semana passada que irão votar "não" à moção para continuar, o que abre um debate na legislação, já que nenhum texto pode ser analisado sem um primeiro voto que autorize a abertura das discussões.

O senador republicano John McCain anunciou na noite desta segunda-feira que retornará ao Senado dos Estados Unidos, depois de ser diagnosticado de câncer no cérebro, para a votação, anunciou seu gabinete.

"O senador McCain retornará amanhã (terça-feira) ao Senado (...) para continuar trabalhando em leis importantes, incluindo a reforma do sistema de saúde".

McCain não anunciou qual será o seu voto.

Como os 48 democratas da oposição também votarão pelo "não", os republicanos apenas podem permitir que dois mudem de lado. O vice-presidente, segundo a Constituição, pode dar o voto de Minerva em caso de empate 50-50.

Uma vez que o texto esteja na agenda, os senadores poderão fazer as emendas e reescrever toda a lei para "substituir" a reforma da saúde de Obama.

As negociações se desenvolvem intensamente na corda bamba. Algumas senadoras já anunciaram que bloquearão a iniciativa presidencial.

Uma delas, Shelley Moore Capito, recebe Trump nesta segunda-feira em seu estado, a Virgínia Ocidental, um dos mais pobres do país, cujos habitantes estão entre os maiores perdedores de uma derrogação do Obamacare.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos