EUA atacam campo do EI na Líbia e deixa 17 mortos

  • Brendan Smialowski/AFP

    Estes foram os primeiros ataques anunciados por Washington na Líbia desde a posse de Donald Trump, em 20 de janeiro.

    Estes foram os primeiros ataques anunciados por Washington na Líbia desde a posse de Donald Trump, em 20 de janeiro.

O Exército dos Estados Unidos realizou seis ataques de precisão visando o grupo EI (Estado Islâmico) na Líbia, matando 17 combatentes extremistas, informou neste domingo (24) o comando americano para a África, em um comunicado.

Os bombardeios visaram na sexta-feira (22) um campo do EI, cerca de 240 km a sudeste da cidade de Sirte, na costa do Mediterrâneo.

O campo era utilizado pelos combatentes extremistas para lançar operações dentro e fora do país e para armazenar armas, segundo o comunicado.

Estes foram os primeiros ataques anunciados por Washington na Líbia desde a posse de Donald Trump, em 20 de janeiro.

Os últimos ataques aéreos americanos conhecidos foram no começo de janeiro, ainda no governo de Barack Obama, contra campos do EI suspeitos de planejar operações na Europa.

O comunicado do comando americano na África, que não deu muitos detalhes, aponta que 17 combatentes do EI foram mortos e que três veículos foram destruídos nos ataques de sexta-feira.

"Os Estados Unidos buscarão e caçarão esses terroristas, enfraquecerá suas capacidades e perturbará seus planos e operações através de todos os meios apropriados, legais e proporcionais, incluindo ataques de precisão contra suas forças, campos de treinamento terrorista, assim como associações com forças líbias para negar aos terroristas santuários na Líbia".

A ONU iniciou nesta quarta-feira (21) uma nova tentativa para estabilizar a Líbia, imersa no caos desde 2011, depois da queda de Muamar Khadafi, morto após um ataque feito por forças rebeldes,.

António Guterres, secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), e o novo enviado também da instituição na Líbia, Ghassan Salame, se reuniram à margem da Assembleia Geral com representantes dos países envolvidos na situação do país.

"É minha profunda convicção que as condições estão dadas atualmente para tornar possível uma solução", disse Guterres na reunião.

"Não acho que poderemos deixar de aproveitar essa oportunidade. Quero pedir a vocês um forte compromisso para um esforço comum a fim de assegurar que fazemos o possível para ajudar nossos amigos líbios a se reunir e encontrar um futuro de paz, democracia, liberdade e prosperidade", afirmou o chefe da ONU.

A iniciativa tenta delinear um planejamento que começa com uma emenda ao acordo de dezembro de 2015, que instalou um governo interino de acordo nacional. Apesar do acordo, a Líbia continua dividida.

Na reunião participaram Emmanuel Macron, presidente francês, e Theresa May, primeira-ministra britânica, cujos antecessores lideraram a intervenção ocidental que ajudou a derrotar a Khadafi.

Também participaram Abdel Fattah al-Siss, presidente egípcio, que apoia o chamado Exército nacional líbio, dirigido por Khalifa Haftar, que controla o leste do país, assim como Fayez al-Sarraj, líder do governo de unidade.

Al Sarraj disse mais tarde que no encontro da ONU foi acordada a necessidade de um governo com autoridade sobre todo o território líbio.

Guterres disse que a ONU tem uma série de prioridades, incluída uma estrutura de comando unificado e melhorar o abastecimento de bens e serviços aos líbios.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos