'Açougueiro dos Bálcãs' é condenado à prisão perpétua

Haia, 22 Nov 2017 (AFP) - O ex-chefe militar dos sérvios na Bósnia, Ratko Mladic, apelidado de "Açougueiro dos Bálcãs", foi condenado à prisão perpétua pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPII), nesta quarta-feira (22), por genocídio, crimes contra a Humanidade e crimes de guerra.

Ele foi declarado culpado de dez acusações. "Por ter cometido estes crimes, a câmara condena o senhor Ratko Mladic à prisão perpétua", declarou o juiz Alphons Orie.

Seu filho, Darko Mladic, presente no tribunal, indicou que vão recorrer da condenação.

"Esta pena é injusta e contrária aos fatos. Vamos apelar para provar que este julgamento foi uma farsa", declarou em coletiva de imprensa.

Logo depois do anúncio do veredicto, a presidente da Associação das Mães dos Redutos de Srebrenica e Zepa disse não estar inteiramente satisfeita.

"Estou parcialmente satisfeita. É mais do que para [Radovan] Karadzic, mas não o declararam culpado da acusação de genocídio de vários povoados", disse Munira Subasic à AFP.

Quase 8.000 homens e crianças morreram no massacre de Srebrenica em julho de 1995.

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos saudou a condenação, classificando a decisão de "vitória crucial para a Justiça".

"Mladic é a essência do mal. Mladic comandou alguns dos crimes mais sombrios cometidos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial", afirmou Zeid Ra'ad Al Hussein, que pertenceu à Força de Proteção da ONU para a ex-Iugoslávia entre 1994 e 1996.

Já o presidente sérvio, Aleksandar Vucic, pediu a seus compatriotas que "olhem para o futuro, pensem em nossos filhos, na paz e na estabilidade da região", enquanto o procurador do Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPII), Serge Brammertz, considerou o veredicto "uma etapa importante para a Justiça internacional", tendo sido uma das primeiras pessoas indiciadas e a última a ser condenada.

- 'Eles mentem' -Alguns instantes antes de sua condenação, Ratko Mladic foi retirado da sala de audiência do TPII em Haia, após se levantar e gritar contra os juízes.

O juiz Orie determinou a retirada de Mladic, depois de se recusar a ceder ao pedido da defesa de interromper a sessão por conta da pressão alta do acusado.

"Eles mentem, vocês mentem. Não me sinto bem", gritou Mladic.

Ele foi instalado em uma sala adjacente para ouvir o restante do julgamento, enquanto a defesa pedia que sua pressão arterial fosse novamente verificada, após ter tentado, em vão, adiar esse veredicto histórico.

Mais de 20 anos após a guerra da Bósnia (1992-1995), que deixou mais de 100 mil mortos e 2,2 milhões de deslocados, o homem de 74 anos se apresentou ao tribunal, depois de fazer suspense sobre sua presença.

Ao chegar, o "Açougueiro dos Bálcãs" fez sinal de positivo com o polegar e sorriu para os fotógrafos.

Depois, recusou-se a se levantar quando os juízes entraram na sala de audiência, cumprimentando apenas sua família.

Após 40 minutos de audiência, pediu uma pausa para ir ao banheiro, com seu advogado interrompendo o juiz Alphons Orie em plena leitura.

"Estou muito preocupado com sua saúde", declarou seu filho à AFP. "Eles estão verificando sua pressão arterial", completou.

O juiz havia começado a enumerar os fatos, descrevendo, por exemplo, a morte de 24 detentos por asfixia, privados de água e forçados a consumir sal antes de serem levados para um centro de detenção.

"Muitos daqueles que capturaram muçulmanos bósnios demonstraram pouco, ou nenhum respeito, pela vida humana e pela dignidade", declarou o juiz, ressaltando que "as circunstâncias eram brutais".

"Aqueles que tentaram defender suas casas enfrentaram uma força impiedosa. Execuções em massa ocorreram, e algumas vítimas sucumbiram após serem espancadas", acrescentou.

- 'É lixo' -Desde o início da manhã, um pequeno grupo de manifestantes - sobreviventes e parentes das vítimas da guerra na Bósnia - estava reunido em uma praça em frente ao tribunal.

"Dou graças a Deus, em nome dos nossos filhos", reagiu Nedziba Salhovic, mãe de uma vítima de Srebrenica. "Mladic vai morrer em Haia! Estou feliz, feliz com a Justiça", expressou.

Logo no começo da leitura do veredicto, lágrimas corriam nos rostos de várias mulheres, e os gritos se elevavam cada vez que Mladic se irritava.

"Não é um homem, é lixo", declarou uma dessas mulheres.

Na praça, foram expostas as fotos de 300 jovens, maridos e filhos, mortos pelas forças de Ratko Mladic.

O TPII foi criado em 1993 para julgar os responsáveis por crimes de guerra durante os conflitos nos Bálcãs.

- Entre herói e açougueiro -Ainda hoje, Mladic divide opiniões na Bósnia. Acusado em Haia de ser o "autor intelectual do assassinato de milhares de pessoas", ainda é um "ídolo" na Republika Srpska, a entidade dos sérvios da Bósnia.

Ratko Mladic, junto com seu alter ego político Radovan Karadzic, é considerado o "arquiteto de uma política de limpeza étnica" de parte da Bósnia, de acordo com Brammertz.

Foi indiciado em 25 de julho de 1995, dias após o massacre de cerca de 8.000 homens e meninos muçulmanos em Srebrenica.

Ele também é acusado do sequestro de funcionários da ONU e do cerco de Sarajevo, que durou 44 meses, durante o qual 10 mil pessoas foram mortas.

Preso na casa de um primo após permanecer foragido por 16 anos e transferido para Haia, seu processo durou cinco anos.

bur-shm/jkb/sba/mr/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos