Marcha leva milhares às ruas em defesa dos direitos LGBTI no Chile

Santiago, 25 Nov 2017 (AFP) - Multitudinária e influenciada pelo clima eleitoral no Chile, a Santiago Parade-2017 mobilizou neste sábado milhares de pessoas que se somaram ao movimento pela igualdade e pela aprovação de leis que resguardem os direitos da comunidade LGBTI.

Pelo 12º ano consecutivo, a marcha levou milhares de pessoas às ruas, embaladas ao ritmo da música eletrônica que, agitando bandeiras com as cores do arco-íris, se manifestaram em defesa da diversidade sexual.

O Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), organizador da marcha, comemorou o êxito da convocação, à qual se somaram vários grupos de defesa dos direitos humanos.

"A ideia é manter na discussão pública e nos candidatos e parlamentares a necessidade de se avançar no casamento igualitário e acelerar o trâmite e aprovar a lei de identidade de gênero", que espera aprovação na Câmara dos Deputados, disse à AFP Rolando Jiménez, porta-voz do Movilh.

A norma permitirá que as pessoas trans sejam identificadas legalmente com o nome e o gênero com que se identificam, permitindo seu pleno desenvolvimento, destacou.

Jiménez pediu, ainda, que se acelere a discussão no Congresso da lei de casamento igualitário e assegurou que as pesquisas demonstram que "a sociedade chilena caminha mais rápido que a política, já que cerca de 70% o aprovam".

O tom eleitoral ficou por conta da concentração anterior, no início da marcha, com a presença do candidato governista, Alejandro Guillier, adversário do ex-presidente Sebastián Piñera no segundo turno de 17 de dezembro, que definirá o sucessor de Michelle Bachelet.

Em agosto passado, a presidente deu um passo a mais em seu ambicioso plano de reformas sociais, ao enviar ao Congresso o projeto de lei de casamento igualitário, após aprovar, em 2015, o Acordo de União Civil, que permitiu legalizar as uniões homossexuais, mas que não legisla sobre adoção.

O projeto do casamento igualitário começará a ser tratado segunda-feira no Congresso na Comissão de Constituição, Legislação e Justiça do Senado.

Ao encerrar a mobilização, o Movilh distinguirá Bachelet por ter assinado o Acordo pela Igualdade, diante da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que compromete ao Estado chileno legislar sobre diversidade sexual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos