Aquecimento global pode multiplicar migrantes na Europa, diz estudo

Nova York, 21 dez 2017 (AFP) - O aquecimento global poderia causar um aumento acentuado do número de pessoas que buscam migrar para a Europa até o final do século, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem no ritmo atual, informaram nesta quinta-feira (21) pesquisadores americanos.

O estudo publicado na revista Science é o mais recente a mostrar como fenômenos climáticos, como as secas - que pioram à medida que o planeta aquece -, podem propiciar conflitos no mundo.

O número de refugiados na Europa poderia aumentar entre 28% e 188%, segundo a rapidez com que aconteça o aquecimento, projetaram especialistas da Universidade de Columbia, em Nova York.

Isso implicaria entre 98.000 e 660.000 solicitantes de asilo adicionais por ano.

"Embora os países mais pobres nas regiões mais quentes sejam os mais vulneráveis às mudanças climáticas, nossas descobertas mostram a forma como os países estão vinculados, e a Europa verá um número crescente de pessoas desesperadas fugindo de seus lugares de origem", explicou o líder do estudo, Wolfram Schlenker, economista da Escola de Assuntos Públicos e Internacionais de Columbia, em Nova York.

Os pesquisadores encontraram também um vínculo aparente entre as temperaturas, a agricultura e o número de solicitações de asilo.

Revisaram as solicitações de asilo na União Europeia entre 2000 e 2014, que registraram uma média de 351.000 por ano.

Quando compararam o número de solicitações com o clima nos 103 países de origem dos solicitantes, descobriram que estas tendiam a aumentar quando a temperatura nas regiões agrícolas de seus países subia acima dos 20 graus centígrados - a temperatura ótima para os semeadouros - durante a temporada de cultivo.

Depois combinaram estes dados com projeções do aquecimento para o futuro.

No que se considera um cenário otimista, um aumento da média mundial de temperatura de 1,8 grau centígrado poderia aumentar o número de refugiados em 28% até 2100 (98.000 solicitações extras por ano na UE).

"Se as emissões continuarem seu percurso atual, com as temperaturas aumentando entre 2,6°C e 4,8°C até 2100, as solicitações de asilo poderiam aumentar 188%, com 660.000 solicitações extras a cada ano", detalha o relatório.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos