Rússia, Turquia e Irã querem reunir regime e rebeldes sírios em janeiro

Astana, Cazaquistão, 22 dez 2017 (AFP) - A Rússia, a Turquia e o Irã propuseram nesta sexta-feira, após discussões em Astana, reunir o regime sírio e os rebeldes no final de janeiro no balneário russo de Sochi.

Uma semana depois do fracasso da reunião de Genebra, a oitava rodada de negociações na capital do Cazaquistão, organizada por Moscou e Teerã, aliados do presidente sírio Bashar al-Assad, e Ancara, que apoia os rebeldes, permitiu à Rússia relançar sua proposta de "Congresso do Diálogo Nacional" sírio.

A ideia desta reunião, que juntaria cerca de 30 forças políticas sírias de todas as tendências, foi lançada após última rodada de negociações em Astana, mas o projeto não havia avançado por conta do tema da participação dos curdos, rechaçada pela Turquia.

Nesta sexta, as forças sírias que serão convidadas para o encontro em janeiro não foram divulgadas.

"Os países patrocinadores confirmam sua intenção de cooperar no intuito de reunir o Congresso do Diálogo Nacional em Sochi, em 29 e 30 de janeiro de 2018, com a participação de toda a sociedade síria", indicaram as delegações russa, turca e iraniana em um comunicado conjunto.

Após seis anos de um conflito que fez mais de 340.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, o governo do presidente Bashar al-Assad, apoiado pelo Exército russo, tem agora a iniciativa sobre o terreno.

Contudo, o processo de solução política continua parado.

Se Damasco está disposto a aceitar eleições sob a supervisão da ONU, as negociações se chocam no destino de Assad, com o governo rejeitando discutir sua eventual partida, reclamada pela oposição.

Enquanto o processo de Genebra patrocinado pela ONU não avança, Moscou espera capitalizar sobre os avanços concretos obtidos em Astana, que permitiram reunir regime e rebeldes para discutir questões militares, a fim de relançar o diálogo político.

"É hora de fazer o processo político avançar", advogou na quinta-feira o emissário da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, enquanto relacionava as perspectivas de solução à nova rodada de negociações de Genebra, na segunda quinzena de janeiro.

"Cada coisa em seu tempo", insistiu. Segundo ele, o processo de Astana deve se concentrar nas zonas de distensão alcançadas em reuniões anteriores, assim como sobre os assuntos relacionados aos presos e ao desminado das zonas de combate anteriores.

Nesta sexta, em um comunicado separado, De Mistura, presente na reunião de Astana, voltou a ressaltar o fato de que "toda iniciativa política deve contribuir para o processo político na ONU".

As novas discussões aconteceram pouco mais de uma semana após o anúncio pelo presidente Putin da retirada de parte das tropas russas mobilizadas na Síria, onde foi anunciada a "libertação total" do território do controle do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos