Emblemático repressor da ditadura argentina vai para prisão domiciliar

Buenos Aires, 27 dez 2017 (AFP) - A justiça argentina concedeu nesta quarta-feira progressão para prisão domiciliar ao ex-chefe da polícia Miguel Etchecoltaz, um emblemático repressor da ditadura (1976-1983) condenado à reclusão perpétua.

O VI tribunal federal concedeu a progressão devido à idade avançada - 88 anos - e aos vários problemas de saúde de Etchecoltaz, segundo a decisão divulgada na imprensa.

Etchecolatz foi diretor de Investigações da temível polícia da província de Buenos Aires entre março de 1976 e o final de 1977, e esteve encarregado das 21 prisões clandestinas que funcionavam neste distrito, o maior do país.

Ao menos 30 mil pessoas desapareceram durante a ditadura, segundo organismos humanitários.

Etchecoltaz foi condenado - em 1986, 2004 e 2016 - a cinco penas de prisão pela justiça de La Plata, que unificou as sentenças para reclusão perpétua.

Na Argentina, os detentos com mais de 70 anos têm direito a progressão para prisão domiciliar, mas o benefício fica a critério do juiz, que analisa caso a caso.

Os organismos humanitários têm lutado para que os condenados e processados por crimes contra a humanidade cumpram "prisão comum e efetiva".

Etchecoltaz será levado da penitenciária de Marcos Paz (50 km a oeste de Buenos Aires) para cumprir pena em sua residência em Mar del Plata (400 km ao sul).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos