PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Maduro 'agradece' Brasil e Canadá por expulsão de diplomatas

Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro - Foto: AFP PHOTO /VENEZUELAN PRESIDENCY
Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Imagem: Foto: AFP PHOTO /VENEZUELAN PRESIDENCY

27/12/2017 23h35

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ironizou nesta quarta-feira as decisões de Brasil e Canadá de expulsar os diplomatas venezuelanos, agradecendo os dois países por "acatarem" a decisão da Assembleia Constituinte, que não reconhecem.

"Me agrada muito (...) que o governo não eleito de extrema direita do Brasil e o governo com complexo imperialista, de extrema direita e racista do Canadá tenham reconhecido o poder plenipotenciário da Assembleia Nacional Constituinte", disse Maduro durante um ato oficial.

"Chanceler, agradeça a eles de minha parte, por favor, oficialmente, por escrito", determinou Maduro a seu ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza.

"O governo do Canadá e o governo não eleito do Brasil acataram a decisão da Assembleia Nacional Constituinte, o que significa que são os primeiros governos de direita do continente a aceitar seu caráter plenipotenciário".

A presidente da Constituinte, Delcy  Rodríguez, declarou no sábado "persona  non grata" o embaixador brasileiro Ruy Pereira, e expulsou o encarregado de negócios canadense, Craig Kowalik.

Na terça-feira, o Brasil declarou "persona  non grata" o diplomata venezuelano Gerardo Delgado, encarregado de negócios e o mais alto funcionário de Caracas no país, em reciprocidade à decisão do governo de Maduro.

Um dia antes, o Canadá anunciou que o embaixador venezuelano já não era "bem-vindo" e declarou o encarregado de negócios do mesmo país "persona  non grata".

As relações diplomáticas entre Brasil e Venezuela foram congeladas em agosto de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff (2011-2016).

Na ocasião, Caracas retirou seu embaixador, e Delgado Maldonado passou a liderar a delegação no Brasil com o cargo de Ministro Conselheiro.

Internacional