Porto Alegre sitiada por causa de julgamento de Lula

Porto Alegre, 24 Jan 2018 (AFP) - A cidade de Porto Alegre tornou-se nesta quarta-feira por um dia o centro do país: é lá que se decide o futuro político do ex-presidente Lula.

Todos os olhos estão voltados para a cidade de um milhão e meio de habitantes, onde três juízes do tribunal de apelação podem, ao final do dia, acabar com as ambições do ex-chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva de disputar em outubro a presidência, confirmando sua sentença de nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Cerca de 3.500 membros das forças de segurança foram mobilizados neste reduto histórico da esquerda brasileira. Porto Alegre deixou o anonimato em 2001, depois de ter organizado o primeiro Fórum Social Mundial (FSM), a resposta ao Fórum Econômico de Davos. O Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula foi um personagem de proa.

O perímetro do Tribunal Regional Federal Nº4 (TRF4), localizado perto de um lago, foi fechado e é monitorado por helicópteros e embarcações da Polícia Militar.

Tudo para evitar confrontos entre partidários e opositores de Lula e proteger os três juízes que selarão o destino da maior figura da cena política brasileira: um ex-presidente (2003-2010) que deixou o poder com uma taxa recorde popularidade de mais de 80%, mas também odiado por um enorme segmento da população que quer mandá-lo para trás das grades.

Temendo uma "invasão" de manifestantes pró-Lula que chegavam em ônibus desde o final da semana a sua pacífica cidade, o prefeito Nelson Marchezan Jr. pediu apoio aos militares.

Poucas horas após o início deste julgamento crucial, a situação era calma, mas poderia mudar com o anúncio da decisão do tribunal.

Os partidários de Lula são muito mais numerosos e intensos do que seus opositores nas ruas, cheias de cartazes, principalmente do PT, em apoio ao seu fundador.

Um folheto chamava os militantes de esquerda a "não deixar que seja condenado", outro proclamava "Lula inocente" ou "Uma eleição sem Lula seria fraudulenta".

Os opositores também se mobilizaram: um enorme boneco inflável de Lula em uniforme de prisioneiro navegava no lago perto do TRF4.

O julgamento também atraiu cerca de 300 jornalistas, incluindo 45 acreditados para a imprensa estrangeira.

Mas o centro da capital do estado do Rio Grande do Sul estava deserto, com os funcionários públicos em recesso em razão do processo.

csc-pt/lg/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos