Ex-ditador boliviano García Meza morre aos 88 anos

La Paz, 30 Abr 2018 (AFP) -

O ex-ditador boliviano Luis García Meza, que cumpria uma sentença de 30 anos de prisão por crimes cometidos após o golpe militar que o levou ao poder em 1980, faleceu no domingo aos 88 anos.

Com García Meza, que está sendo velado e que será cremado por decisão de sua família, se encerra "um período terrível de nossa história, marcado por arbitrariedades sem limites", escreveu o ex-presidente e historiador boliviano Carlos Mesa.

"O general Luis García Meza faleceu após uma parada cardíaca e respiratória", afirmou o advogado Frank Campero.

O militar havia sofrido três infartos no hospital das Forças Armadas, Cossmil, onde passou mais de 10 anos de sua pena de 30 anos de prisão, informou Campero.

"Com a morte de García Meza, perdemos informações muito valiosas para esclarecer os crimes contra a humanidade e acabar com a impunidade e privilégios que ele mesmo teve", disse o representante da Plataforma de Lutadores Sociais Contra a Impunidade, Julio Llanos.

Em 13 meses de regime sanguinário foram registrados 30 assassinatos confirmados e mais de 100 desaparecimentos nunca esclarecidos.

Em 15 de janeiro de 1981, em Sopocachi, bairro de La Paz, oito dirigentes do Movimento da Esquerda Revolucionária foram torturados e assassinados por um grupo de paramilitares. Apenas uma pessoa conseguiu escapar.

Além da violência extrema, os 13 meses de governo de García Meza também foram caracterizados pela corrupção e narcotráfico.

"Lamentamos que não tenha sido feita JUSTIÇA! Morreu em total impunidade", afirmou a Associação de Familiares de Detidos Desaparecidos e Mártires pela Libertação Nacional (Asofamd) no Facebook.

Para a Asofamd, García Meza "morreu protegido pelo exército", no hospital militar.

O advogado revelou que o cliente deixou duas cartas póstumas, uma dirigida a sua família e outra ao país. O conteúdo daquela destinada ao público foi revelado nesta segunda.

No texto de seis páginas, no qual assegura que "não matou nem roubou", ele responsabiliza os ex-presidentes falecidos Víctor Paz Estenssoro (1952-1956, 1960-1964, 1964, 1985-1989), o ex-general de direita Hugo Banzer Suárez (1971-1978 e 1997-2001) e o ex-coronel Luis Arce Gómez, seu poderoso ministro do Interior pelo golpe.

"Eles escolheram a data para o golpe", diz na carta.

Ele menciona ainda que Banzer, que foi presidente pela primeira vez por meio de outro sangrento golpe de Estado em 1971, ordenou matar o líder socialista Quiroga Santa Cruz, que o havia denunciado por crimes na década de 70.

García Meza dirigiu o golpe militar em 1980 e ficou no poder entre 17 de julho daquele ano e 4 de agosto de 1981.

No dia do golpe morreram políticos, como o jornalista, historiador e líder socialista Marcelo Quiroga Santa Cruz, cujo corpo nunca foi encontrado.

Em abril de 1993, Meza foi condenado a 30 anos de prisão, ao lado do ex-ministro do Interior Luis Arce Gómez, mas fugiu e foi detido no Brasil em março de 1995 e depois extraditado para a Bolívia, onde foi levado para uma penitenciária de segurança máxima.

Ao lado de Hugo Banzer, ditador (1971-1978) e também presidente de direito (1997-2001), García Meza foi considerado o ditador militar mais sanguinário do século XX na Bolívia.

af-jac/lda/fp/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos