PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Panorama incerto na Nicarágua sem diálogo e ainda com protestos nas ruas

24/05/2018 17h45

Manágua, 24 Mai 2018 (AFP) - A Nicarágua vive nesta quinta-feira (24) um panorama incerto após a suspensão do diálogo nacional por falta de consenso entre as partes, enquanto estudantes e moradores vão às ruas pedir justiça e democracia no âmbito dos protestos que deixam 78 mortos em mais de um mês.

As conversas entre o governo e a oposição entraram na quarta-feira em um impasse, depois que a mediação dos bispos católicos não conseguiu aproximar posições para avançar na discussão, centrada na proposta de antecipar as eleições para encurtar o mandato do presidente Daniel Ortega.

O governo reiterou a disposição em dialogar com os opositores, mas considerou "indispensável" que sejam suspensos os bloqueios que os manifestantes mantêm nas vias e trabalhar pelo fim da violência.

"O governo da República reafirma sua disposição ao diálogo, que assegure a estabilidade, a justiça, o fortalecimento democrático e a paz na Nicarágua", anunciou o chanceler Denis Moncada, ao ler um comunicado.

Sua declaração marcou a posição do presidente Daniel Ortega nas conversações, suspensas na quarta-feira pelos bispos católicos, mediadores do diálogo, diante da falta de entendimento entre as partes.

Após a suspensão do diálogo houve ataques de grupos afins a Ortega nas cidades de León, Chinandega, Juigalpa e Nueva Segovia.

Na quarta-feira à noite, em León, foram registrados incidentes violentos que deixaram ao menos dois mortos e 54 feridos, 10 deles gravemente, por disparos de armas de fogo, pedras, morteiros artesanais e golpes, disseram familiares e a Cruz Vermelha.

Um dos falecidos, Manuel Chévez, foi atingido por disparo de fuzil, segundo sua tia Justa Ramírez.

A outra vítima foi identificada como Luis Díaz, integrante do grupo de seguidores do governo, que teria sido atingido por um morteiro artesanal, disse o diretor da Cruz Vermelha de León, Marcio Ocón.

Centenas de estudantes e habitantes saíram na madrugada de quinta-feira para marchar na movimentada estrada para Masaya agitando bandeiras e pedindo a renúncia de Ortega e de sua esposa e vice-presidente, Rosario Murillo. Mobilizações também havia em outras cidades do interior.

"Estamos nos manifestando pacificamente e condenamos os ataques em Chinandega e León. O governo já nos cansou com seu discurso duplo", declarou Edwin Carcache, líder do Movimento estudantil 19 de abril.

O chanceler Denis Moncada assegurou, após a suspensão do diálogo, que o governo tem "boa vontade", mas reiterou que a agenda proposta pela hierarquia é uma maneira "camuflada" de derrubar o governo de Ortega.

A proposta de antecipar as eleições é "um caminho para um golpe de Estado (...) para derrubar o governo fazendo com que pareça um processo legal", argumentou Moncada.

- Crise se agrava -Os protestos contra o governo começaram em 18 de abril, quando os estudantes se opuseram a uma reforma do sistema de pensões, mas se espalhou a outros setores após a repressão que deixa 76 mortos, 868 feridos e 438 presos, segundo um relatório preliminar da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que não inclui os dois falecidos de quarta-feira.

A suspensão das sessões plenárias pelos bispos "agrava a crise porque o povo tinha grandes esperanças e confiança de que o diálogo nacional pudesse ser uma saída cívica e pacífica", disse à AFP o acadêmico Carlos Tunnermann.

O governo insiste em pedir a liberação das estradas, mas "o uso desses congestionamentos (bloqueios) são vistos como formas de protesto. Os que estão nos congestionamentos são cidadãos, camponeses, estudantes que não estão armados", disse Tunnermann, delegado da sociedade civil no diálogo.

Defendeu a agenda apresentada pelos bispos e assegurou que "não se trata de um golpe de Estado" como disse a delegação do governo.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, se pronunciou na quarta-feira por uma solução eleitoral à crise na Nicarágua.

"Quem pensa que a Nicarágua tem uma solução diferente à eleitoral se equivoca seriamente. Quando a sociedade está polarizada, a decisão deve voltar urgentemente ao soberano: o povo", disse Almagro em uma mensagem divulgada pela OEA.

A dirigente da opositora Frente Ampla pela Democracia (FAD), Violeta Granera, considerou que "o diálogo nos deixou esperançosos" de encontrar uma solução para a crise e deter a repressão.

"Agora o que nos resta é não nos deixarmos desfocar e sermos mais ousados, mais criativos e mais fortes com os protestos". Ortega "quer tempo para ganhar impunidade (...) já sabe que seus dias no poder estão contados", acrescentou.

Internacional