Rebeldes iemenitas convocam mobilização para defender porto estratégico

Riad, Arábia Saudita, 29 Mai 2018 (AFP) - Os rebeldes iemenitas convocaram uma "mobilização geral" para defender o porto de Hodeida, ante o avanço das tropas pró-governo apoiadas pela coalizão liderada pela Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que estão a 20 km da cidade.

A cidade portuária, na região oeste do Iêmen, às margens do Mar vermelho, é a principal porta de entrada das importações e da ajuda humanitária no país que está em guerra há três anos.

"O exército iemenita apoiado pela coalizão está a quase 20 quilômetros de Hodeida e as operações continuam", declarou em Riad à imprensa o porta-voz da coalizão, Turki al-Maliki, que luta contra os rebeldes huthis apoiados pelo Irã.

"O objetivo é o retorno da cidade ao governo legal do Iêmen", acrescentou.

A coalizão considera que este porto é um ponto de partida para os ataques rebeldes contra os navios no Mar Vermelho e o ponto de entrada das armas enviadas pelo Irã, o que Teerã nega.

"Nosso objetivo é cortar a veia da qual se beneficiam os huthis", explicou Maliki.

Diante do avanço, o governador da capital Sanaa, controlada pelos rebeldes, Hamud Obad, convocou uma "mobilização geral" para defender a frente oeste.

Em uma cerimônia em homenagem a um líder rebelde morto em um ataque aéreo, Obad pediu mais esforços, em tropas e aparelhos", para "defender todas as frentes, em particular a da região oeste".

O porto de Hodeida fica a 230 km de Sanaa.

A ONU teme que esta operação militar afete a distribuição de ajuda humanitária, que chega principalmente pelo porto de Hodeida. Algumas regiões do Iêmen estão à beira da fome.

"Estamos extremadamente preocupados sobre a situação nos arredores de Hodeida", disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

Funcionários da ONU no Iêmen e na região "já começaram a tomar medidas de precaução a fim de acelerar a assistência e redefinir os planos de contingência em caso de maior escalada", indicou Dujarric, alertando para a possibilidade de mais deslocamentos.

Em novembro de 2017, a coalizão anunciou um bloqueio total de Hodeida em resposta ao ataque de um míssil balístico lançado pelos rebeldes contra Riad.

O embargo foi aliviado após pressões internacionais, mas a coalizão tenta retomar o porto por terra, especialmente após o aumento dos ataques com mísseis.

As batalhas no oeste do Iêmen são muito violentas e são interrompidas apenas pelas minas, que segundo os militares iemenitas foram espalhadas pelos insurgentes.

A ofensiva é liderada pelos Emiratos Árabes Unidos e reúne várias milícias. A principal força é formada pelas "Brigadas dos Gigantes", ex-unidade de elite das Forças Armadas iemenitas que os Emirados convocaram e reforçaram com milhares de combatentes do sul do Iêmen.

A segunda força é composta por homens leais ao ex-presidente Ali Abdallah Saleh, morto em dezembro em uma operação de seus entãio aliados huthis. O grupo é liderado por Tarek Saleh, sobrinho do ex-presidente, que se uniu en abril à coalizão liderada pela Arábia Saudita, sem reconhecer até o momento o presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, aliado de Riad.

A terceira força, chamada "Resistência de Tihama", é formada por militares que permaneceram fiéis ao presidente Hadi.

A coalizão atua militarmente no Iêmen desde 2015 para restaurar o governo reconhecido pela comunidade internacional, que foi expulso da capital Sanaa.

O conflito já deixou 10 mil mortos e mais de 55 mil feridos, segundo a Organização Mundial da Saúde. Além disso, a cólera acabou com a vida de mais de 2.200 pessoas e certas regiões do país estão à beira da desnutrição.

mah-ac/ab/ras/nbz/pa/zm/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos