PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conversas de último minuto tentam evitar ofensiva na província síria de Idlib

30/08/2018 11h00

Beirute, 30 Ago 2018 (AFP) - Atores-chave na guerra na Síria mantêm conversas de último minuto, nesta quinta-feira (30), para tentar evitar uma ofensiva do governo à província de Idlib, último grande bastião rebelde, que pode provocar uma catástrofe humanitária, segundo a ONU.

Há dias, o governo Bashar al-Assad reúne reforços nos limites dessa região no noroeste da Síria, na fronteira com a Turquia, antes de uma ofensiva que pode ser a última batalha de envergadura na guerra que assola a Síria desde 2011 e que já deixou mais de 350.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.

O destino de Idlib, controlada pelos extremistas do Hayat Tahrir al-Sham (HTS), preocupa Ancara, que tenta evitar uma ofensiva do regime.

"As negociações entre Turquia e HTS continuam", destacou o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, acrescentando que o lançamento da operação militar depende, portanto, "do fracasso, ou do êxito, das conversas com o HTS".

Já a Rússia, que apoia Assad militarmente desde 2015, reivindica uma dissolução do HTS.

"É a condição posta por Moscou para evitar uma grande ofensiva" em Idlib, explicou Abdel Rahman.

- 'Liquidar este abscesso' -Recentemente, o HTS rejeitou a possibilidade de uma dissolução, de acordo com declarações divulgadas por sua agência de propaganda, a Ibaa, mas deixou a porta aberta para uma solução negociada.

"Tentamos por todos os meios encontrar uma solução no norte da Síria liberado que proteja os habitantes de uma eventual ofensiva do regime criminoso e de seus aliados", afirmou o grupo extremista.

Embora a Turquia dê um apoio direto a vários grupos rebeldes nos territórios do norte sírio, sua influência nos extremistas do HTS é limitada.

"As relações da Turquia com o HTS são complicadas", afirma Elizabeth Teoman, analista do Institute for Study of War (ISW), acrescentando que esta relação se caracteriza por uma "animosidade cooperativa".

Ontem, o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, deu a entender que a ofensiva é iminente.

"É preciso dissociar a chamada oposição moderada dos terroristas e, ao mesmo tempo, preparar a operação contra eles, minimizando os riscos para a população civil", disse Lavrov.

"Em qualquer caso, é necessário liquidar este abscesso", frisou.

Segundo a imprensa russa, nos últimos dias, Moscou reforçou sua presença militar no país e dispõe de seu maior contingente naval frente à Síria desde o início do conflito.

Também na quarta-feira, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou sobre "os riscos crescentes de uma catástrofe humanitária, no caso de uma operação militar em larga escala na província de Idlib".

Hoje, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, disse estar "disposto a me envolver, pessoal e fisicamente [...], para garantir um corredor humanitário [...] para permitir que a população civil seja evacuada para uma zona mais segura".

bur-bek/jmm/mjg/kir/sgf/mb/tt

Internacional