PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Venezuela acusa governos do Chile, Colômbia e México de proteger diplomatas envolvidos no atentado contra Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro - AFP PHOTO / Juan BARRETO
O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro Imagem: AFP PHOTO / Juan BARRETO

Caracas, Venezuela

24/09/2018 17h19

A Venezuela criticou Chile, Colômbia e México por terem negado a denúncia de que seus funcionários tenham participado de um suposto atentado com drones em agosto contra o presidente Nicolás Maduro e lhes acusou de ocultar esses vínculos.

O governo venezuelano "esperava a colaboração coerente e transparente (...) desses países para conduzir as investigações necessárias de suas instituições", disse o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

Posteriormente, o ministro das Comunicações, Jorge Rodríguez, disse que apesar do "barulho" e da "fuga" dos três governos, a Venezuela "ainda espera simplesmente que eles digam que vão investigar".

O ministro pediu, neste domingo (23), que Chile, Colômbia e México esclareçam se funcionários de suas embaixadas apoiaram a tentativa de fuga de um dos suspeitos do ataque com drone, em 4 de agosto.

Rodríguez fez esse pedido ao anunciar a captura desta pessoa e de outros dois envolvidos no ataque, que Maduro denuncia como uma "magnicídio frustrado" e por trás do qual, segundo ele, estão o ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos e opositores venezuelanos.

"A reação de uma negação a priori (...) leva a prefigurar o total desinteresse por qualquer investigação objetiva com o objetivo de esconder ligações e responsabilidades", denunciou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

O Chile enviou nesta segunda-feira uma nota de protesto à embaixada venezuelana em Santiago, rejeitando as acusações, disse o ministro das Relações Exteriores, Roberto Ampuero, que as atribuiu a "manobras que buscam desviar a atenção da gravíssima crise humanitária enfrentada por esse país".

Esclarecimentos

Em confissões em vídeo transmitidas pelo ministro, Rivas -- um dos acusados de ter participado do atentado -- relatou que diplomatas estavam envolvidos em seus frustrados planos de fugir da Venezuela.

Segundo o depoimento, uma fugitiva da Justiça no caso dos drones instruiu Rivas a entrar em contato com um diplomata chileno em sua casa e coordenar com ele o voo, com a suposta cumplicidade de autoridades colombianas e mexicanas, lembrou Rodríguez.

Mas os funcionários da residência informaram a Rivas que o funcionário, que não foi identificado, estava doente e fora da Venezuela, acrescentou o ministro.

"Nenhuma dessas afirmações está sendo feita pelo governo venezuelano, e o governo venezuelano está pedindo esclarecimentos sobre se isso é verdade e que investiguem", insistiu Rodríguez nesta segunda-feira.

"Estamos dispostos a apresentar essas confissões, provas e testemunhos", acrescentou.

Os três países negaram qualquer participação. A Colômbia disse que as acusações "não têm fundamento", enquanto o México repudia a denúncia "categoricamente".

"Em vez de esclarecer as circunstâncias denunciadas pelos terroristas confessos, ao envolver agentes diplomáticos de seus respectivos países com seus planos de fuga, eles tendem a se vitimizar", reclamou a chancelaria venezuelana.

Rodríguez tinha adiantado que o chanceler Jorge Arreaza acusaria os representantes dos três países em Caracas. "Não existe imunidade diplomática no caso de encobrimento de terroristas", alertou o ministro da Comunicação e da Informação, Jorge Rodríguez, sem identificar os diplomatas em questão.

Segundo o chanceler do Chile, "isso supõe pôr em risco a integridade e segurança dos representantes diplomatas chilenos".

Com Rivas foram presos Ángela  Expósito, uma hispano-venezuelana, que o teria escondido em sua residência, e o coronel reformado Ramón  Velasco.

Até agora, 28 pessoas estão detidas pelo caso, completou Rodríguez.

Internacional