Topo

Argentinos se manifestam contra G20 sob forte mobilização de segurança

2018-11-30T18:04:00

30/11/2018 18h04

Buenos Aires, 30 Nov 2018 (AFP) - Milhares de argentinos se manifestam nesta sexta-feira (30) contra a cúpula do G20, em uma Buenos Aires praticamente deserta e sob um forte dispositivo de segurança que limitou ao mínimo o serviço de transporte público.

Com grandes cartazes que dizem "Fora Trump" e "Fora FMI", os manifestantes percorrem pacificamente alguns quarteirões da central Avenida 9 de Julho, cujas ruas adjacentes foram bloqueadas com cercas metálicas vigiados por cerca de 2.500 agentes.

"Viemos nos manifestar, repudiar os representantes das potências imperialistas e queremos que saibam que não são bem-vindos em nosso país", disse à AFP Florence di Llelo, que marcha com o Partido dos Trabalhadores Socialistas.

"Na Argentina eles querem fazer passar um ajuste terrível. Querem mostrar uma cidade sitiada quando o clima de repressão está sendo instalado pelo governo para impedir que as pessoas se mobilizem", acrescentou.

Devido à cúpula do G20, esta sexta-feira foi declarada feriado e suspenderam o serviço de metrô e de trens, que vão principalmente à periferia de Buenos Aires.

Na cidade, poucas lojas abriram, e escolas e universidades permanecem fechadas.

"Acreditamos que o G20 atenta contra o país. Os líderes dizem que quando os trabalhadores param, o país perde dinheiro. Agora existem importantes gastos na organização do G20 para que eles circulem livremente", criticou Matías Gómez, delegado de uma cooperativa.

Em plena crise econômica e depois de assinar um acordo de 56 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional, Buenos Aires se viu sacudida este ano por múltiplas manifestações em massa pedindo melhores salários e fazendo outras reivindicações.

Em 2018 houve, além disso, duas greves gerais contra a política econômica do governo Macri.